Porto Alegre, quinta-feira, 06 de maio de 2021.
Dia do Cartógrafo.
Porto Alegre,
quinta-feira, 06 de maio de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 11h04min, 06/05/2021.

Instabilidade externa limita alta do Ibovespa por balanços e minério

No exterior, agenda de indicadores está um pouco fraca, mas há sinais de retomada na Europa

No exterior, agenda de indicadores está um pouco fraca, mas há sinais de retomada na Europa


NELSON ALMEIDA/AFP/JC
A indefinição das bolsas internacionais, além da queda do petróleo no mercado externo limita o Ibovespa de engatar com força a segunda alta seguida nesta quinta-feira (6), após elevação de 1,57% (119.564,44 pontos) de quarta. Às 10h48min, o Ibovespa subia 0,09%, aos 119.676,36 pontos, após mínima aos 119.366,46 pontos e máxima aos 119.966,42 pontos.
A indefinição das bolsas internacionais, além da queda do petróleo no mercado externo limita o Ibovespa de engatar com força a segunda alta seguida nesta quinta-feira (6), após elevação de 1,57% (119.564,44 pontos) de quarta. Às 10h48min, o Ibovespa subia 0,09%, aos 119.676,36 pontos, após mínima aos 119.366,46 pontos e máxima aos 119.966,42 pontos.
O contraponto são balanços fortes do primeiro trimestre e a valorização do minério de ferro (4,85%), que rompeu hoje o nível de tonelada (t) no porto chinês de Qingdao. Já a elevação da taxa Selic de 2,75% para 3,50% ao ano tem efeito desprezível, no sentido de que já estava "precificada".
"O Copom veio em linha com o esperado, indicando nova alta de 0,75 ponto em junho", avalia Luiz Roberto Monteiro, especialista em renda variável da Renascença.
Ainda conforme o estrategista-chefe da Davos Investimentos, Mauro Morelli, o aumento do juro básico não deve ter efeito direto na Bolsa. Apesar da elevação, avalia que o nível ainda é baixo. "Estamos saindo de um juro nominal de 2%, enquanto a inflação projetada está perto ou até mais de 5%. Efetivamente, ainda continua um incentivo muito grande", afirma.
No exterior, a agenda de indicadores está um pouco mais fraca, apesar de novos sinais de retomada na Europa vistos em dados mais cedo. Nos EUA, saíram os pedidos de auxílio-desemprego, que caíram a 92 mil na semana encerrada em 1º de maio, para 498 mil, o dado ficou abaixo da expectativa de analistas de queda para 527 mil solicitações. O total de pedidos da semana anterior foi revisado para cima, de 553 mil para 590 mil. A grande expectativa, contudo, é com o relatório oficial do mercado de trabalho, payroll, que sai amanhã.
"O exterior deve influenciar mais. Tem essa instabilidade lá fora, mas a disputa entre Austrália e China pesou sobre o minério de ferro, o que ajuda a Vale", diz Monteiro. As ações da mineradora subiam 1,32% às 10h43min, influenciando ainda outras empresas como CSN ON (alta de 0,52%).
Nesta manhã, o Banco da Inglaterra (BoE, pela sigla em inglês) manteve sua taxa básica de juros em 0,10% e o tamanho do seu programa de relaxamento quantitativo (QE) em 895 bilhões de libras, como previsto por analistas. As bolsas europeias, contudo, tinham sinais mistos perto da estabilidade.
Já no Brasil, a Braskem informou que saiu de prejuízo para lucro, mas as ações cediam 2,75% no horário citado acima. Como relata o repórter Wagner Gomes do Estadão/Broadcast, a venda da companhia é, sem dúvida, a maior expectativa do mercado após a divulgação dos resultados do primeiro trimestre.
O destaque de alta são as ações da Ambev (6,06%). A empresa informou lucro líquido de R$ 2,7 bilhões, 125,7% maior do que o registrado um ano antes e 24,2% acima do esperado por prévias. 
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário