Porto Alegre, quarta-feira, 05 de maio de 2021.
Dia Nacional das Comunicações.
Porto Alegre,
quarta-feira, 05 de maio de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Imobiliário

- Publicada em 10h15min, 05/05/2021.

Preço de venda de imóvel residencial sobe 0,16% em abril em Porto Alegre

Valor médio do metro quadrado na Capital gaúcha no mês passado foi de R$ 6.150

Valor médio do metro quadrado na Capital gaúcha no mês passado foi de R$ 6.150


Maria Ana Krack/PMPA/JC
Marcelo Beledeli
O preço médio de venda de imóveis em Porto Alegre subiu 0,16% em abril, uma leve desaceleração após a alta de 0,19% em março, aponta o Índice FipeZap. Segundo a pesquisa, o valor médio do metro quadrado na Capital gaúcha no mês passado foi de R$ 6.150, o representa um aumento de 1,64% nos quatro primeiros meses de 2021 e de 3,79% em 12 meses.
O preço médio de venda de imóveis em Porto Alegre subiu 0,16% em abril, uma leve desaceleração após a alta de 0,19% em março, aponta o Índice FipeZap. Segundo a pesquisa, o valor médio do metro quadrado na Capital gaúcha no mês passado foi de R$ 6.150, o representa um aumento de 1,64% nos quatro primeiros meses de 2021 e de 3,79% em 12 meses.
Os bairros de Porto Alegre que apresentaram os valores mais caros para o metro quadrado foram Três Figueiras (R$ 11.100), Pedra Redonda (R$ 9.490) e Jardim Europa (R$ 9.294). Já os preços mais baratos do metro quadrado foram registrados em Santa Rosa de Lima (R$ 2.418), Restinga (R$ 2.590) e Rubem Berta (R$ 2.707).
Valor do m² nos bairros de Porto Alegre em abril
Mais caros
Três Figueiras – R$ 11.100
Pedra Redonda – R$ 9.490
Jardim Europa – R$ 9.294
Praia de Belas – R$ 8.598
Montserrat – R$ 8.480
Mais baratos
Jardim Leopoldina – R$ 3.193
Parque Santa Fé – R$ 3.192
Rubem Berta – R$ 2.707
Restinga – R$ 2.590
Santa Rosa de Lima – R$ 2.418
Novo Hamburgo, Pelotas e São Leopoldo também registram altas
Outras cidades gaúchas também registraram alta nos preços dos imóveis em abril, segundo a FipeZap. A maior elevação do metro quadrado ocorreu em Novo Hamburgo (+0,61%), para R$ 4.067. Em Pelotas, o aumento foi de 0,39%, para R$ 3.657. Também houve alta em São Leopoldo (0,16%, para R$ 4.150). Houve estabilidade no mês passado em Santa Maria (leve alta de 0,02%, com valor médio de R$ 4.491), Caxias do Sul (onde não houve variação e o preço médio ficou em R$ 4.176) e Canoas (leve queda de 0,02%, para R$ 4.722).
No Brasil, crescimento foi de 0,30% no mês passado
O Índice FipeZap acompanha os preços de venda de imóveis em 50 cidades brasileiras. Na média de todo o País, houve alta nominal de 0,30% em abril, acelerando após avanço de 0,18% em março. Comparativamente, a variação mensal do índice é inferior ao comportamento esperado da inflação oficial (IPCA) para o mesmo período (+0,32%), segundo expectativa publicada no último Boletim Focus do Banco Central. Uma vez confirmada essa variação dos preços ao consumidor, calcula-se que o preço médio de venda residencial encerrará abril próximo da estabilidade, em termos reais (-0,02%).
Individualmente, 14 das 16 capitais monitoradas apresentaram elevação nominal no preço médio, destacando-se entre elas: Maceió (+1,50%), Florianópolis (+1,16%), João Pessoa (+0,90%), Vitória (+0,88%), Campo Grande (+0,79%) e Belo Horizonte (+0,74%). As exceções ficaram por conta de Fortaleza (-0,06%) e Brasília (-0,01%), com variações próximas da estabilidade. Com respeito às duas cidades de maior representatividade na composição do Índice FipeZap, São Paulo apresentou alta de 0,26% em abril, superando o avanço registrado no preço médio no Rio de Janeiro (+0,16%).
Considerando os primeiros quatro meses de 2021, o Índice FipeZap acumula alta nominal de 1,10% no ano, variação inferior à inflação acumulada de 2,38%, segundo comportamento esperado do IPCA. Caso confirmado, a relação entre a variação acumulada do Índice FipeZap e da inflação ao consumidor se traduzirá em um recuo de 1,24% no preço médio de venda dos imóveis residenciais, em termos reais.
Já em 12 meses, o Índice FipeZap acumula um avanço nominal de 4,10%. Na comparação com a inflação acumulada nos últimos 12 meses (+6,77%), segundo o IPCA, o índice apresenta queda de 2,50%, em termos reais. Entre as 16 capitais monitoradas, as maiores altas foram registradas em Maceió (+12,76%), Vitória (+10,04%), Curitiba (+9,99%), Manaus (+9,83%), Brasília (+9,23%), João Pessoa (+8,12%) e Florianópolis (+7,65%). Em São Paulo e no Rio de Janeiro, por sua vez, as altas acumuladas no recorte temporal dos últimos 12 meses corresponderam a 4,32% e 2,13%, respectivamente.
Tendo como base a amostra de imóveis residenciais anunciados para venda em abril de 2021, o preço médio calculado foi de R$ 7.582/m² entre as 50 cidades monitoradas pelo Índice FipeZap. Dentre as 16 capitais monitoradas, Rio de Janeiro se manteve como aquela com o preço médio de venda mais elevado (R$ 9.518/m²), sendo seguida por São Paulo (R$ 9.464/m²) e Brasília (R$ 8.166/m²). Já entre as capitais monitoradas com menor valor médio de venda residencial, vale mencionar: Campo Grande (R$ 4.377/m²), Goiânia (R$ 4.592/m²) e João Pessoa (R$ 4.651/m²).
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário