Porto Alegre, quinta-feira, 08 de abril de 2021.
Dia Mundial do Combate ao Câncer.
Porto Alegre,
quinta-feira, 08 de abril de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 08h57min, 08/04/2021.

IPC-S repete taxa de 1,00% na 1ª quadrissemana de abril, afirma FGV

Cinco categorias aumentaram em relação ao fechamento de março, com destaque para Comunicação

Cinco categorias aumentaram em relação ao fechamento de março, com destaque para Comunicação


CLAITON DORNELLES /arquivo/JC
O Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) registrou aumento de 1,00% na primeira quadrissemana de abril, a mesma taxa observada no fechamento de março, divulgou nesta quinta-feira (8) a Fundação Getulio Vargas (FGV). A alta acumulada nos 12 meses até abril é de 7,37%, acima do avanço de 6,11% nos 12 meses até março.
O Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) registrou aumento de 1,00% na primeira quadrissemana de abril, a mesma taxa observada no fechamento de março, divulgou nesta quinta-feira (8) a Fundação Getulio Vargas (FGV). A alta acumulada nos 12 meses até abril é de 7,37%, acima do avanço de 6,11% nos 12 meses até março.
Das oito categorias de despesas que compõem o indicador, cinco registraram aumento em relação ao fechamento de março, com destaque para Comunicação, que saltou de 0,01% para 0,20%. Nesse conjunto de preços, a maior influência partiu do item combo de telefonia, internet e TV por assinatura (-0,01% para 0,38%).
Alimentação (0,03% para 0,13%), Vestuário (0,11% para 0,22%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,57% para 0,70%) e Despesas Diversas (0,22% para 0,33%) também ajudaram a pressionar o IPC-S da primeira quadrissemana de abril para cima. Dentro desses grupos, os itens mais destacados foram artigos de higiene e cuidado pessoal (0,98% para 1,49%), serviços bancários (0,05% para 0,21%), roupas femininas (-0,27% para 0,09%) e laticínios (-0,87% para -0,21%).
O maior decréscimo registrado foi no grupo Transportes, influenciado por gasolina (11,05% para 9,82%), passagem aérea (-2,73% para -4,42%) e etanol (17,33% para 15,29%). Também houve arrefecimento nos grupos Educação, Leitura e Recreação (-0,37% para -0,52%) e Habitação (0,75% para 0,68%), que registrou uma queda de 1,02% para 0,76% no item tarifa de eletricidade residencial.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO