Porto Alegre, terça-feira, 16 de março de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 16 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 09h56min, 16/03/2021.

Dólar comercial opera em queda em manhã de divulgação de indicadores

Mercado também olha a nomeação do médico Marcelo Queiroga como ministro da Saúde

Mercado também olha a nomeação do médico Marcelo Queiroga como ministro da Saúde


Geraldo Magelo/Agência Senado/JC
O dólar no mercado à vista opera em baixa na manhã desta terça-feira (16). Os ajustes ocorrem na esteira do recuo dos juros dos Treasuries nos EUA e após a alta de 2,99% do IGP-10 de março, acima da mediana do mercado (2,84%) e também da variação de 2,97% em fevereiro. O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) da segunda quadrissemana de março também teve alta de 0,88% ante taxa de 0,67% na primeira quadrissemana do mês.
O dólar no mercado à vista opera em baixa na manhã desta terça-feira (16). Os ajustes ocorrem na esteira do recuo dos juros dos Treasuries nos EUA e após a alta de 2,99% do IGP-10 de março, acima da mediana do mercado (2,84%) e também da variação de 2,97% em fevereiro. O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) da segunda quadrissemana de março também teve alta de 0,88% ante taxa de 0,67% na primeira quadrissemana do mês.
Às 9h51min desta terça, o dólar à vista caía 0,33%, a R$ 5,5973.
Os indicadores de preços reforçam as preocupações com a inflação e as apostas em alta mais agressiva da Selic, nesta véspera de anúncio de decisão de juros pelo Copom e do Federal Reserve, na quarta-feira. Em tese, Selic mais alta tende a atrair capitais estrangeiros para o País.
A leitura dos analistas é de que o Copom pode precisar ser mais agressivo no aperto da Selic e a tendência é de continuar mais ativo com leilões cambiais a fim de tentar conter o dólar e o ritmo galopante da inflação no País. A alta dos preços decorre ainda do cenário de aumento frequente dos preços de combustíveis e falta de insumos industriais e no agronegócio, de acordo com analistas financeiros.
O mercado também olha a nomeação do médico Marcelo Queiroga como quarto ministro da Saúde durante a pandemia, no lugar de Eduardo Pazuello. Poucos secretários apostam que o novo ministro terá independência, mas esperam que ao menos ele apoie as medidas de restrição
No exterior, os índices futuros das bolsas de Nova Iorque ganharam força, à medida que os juros dos Treasuries de mais longo prazo se mantiveram em queda nas últimas horas e à espera de indicadores de vendas no varejo e de produção industrial dos EUA, que serão divulgados logo mais. Há também expectativa para a reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), que começará mais tarde e será concluída amanhã.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO