Porto Alegre, sábado, 13 de março de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 13 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Contas Públicas

- Publicada em 14h46min, 13/03/2021. Atualizada em 14h50min, 13/03/2021.

Arrecadação de ICMS no RS apresenta alta de 2,5% em fevereiro na comparação com 2020

O boletim não reflete o impacto das medidas restritivas da bandeira preta, implementadas a partir de 27 de fevereiro

O boletim não reflete o impacto das medidas restritivas da bandeira preta, implementadas a partir de 27 de fevereiro


LUIZA PRADO/JC
A arrecadação de ICMS, principal tributo do Estado, apresentou resultado positivo em fevereiro de 2021, totalizando R$ 3,36 bilhões, alta de 2,5% (R$ 83 milhões) em relação a 2020. As vendas em todos os setores - indústria, atacado e varejo, também apresentaram recuperação.
A arrecadação de ICMS, principal tributo do Estado, apresentou resultado positivo em fevereiro de 2021, totalizando R$ 3,36 bilhões, alta de 2,5% (R$ 83 milhões) em relação a 2020. As vendas em todos os setores - indústria, atacado e varejo, também apresentaram recuperação.
Porém, não é de se esperar que o bom desempenho se mantenha. "É importante pontuar que as medidas restritivas em razão da adoção dos protocolos da bandeira preta foram implementadas a partir de 27 de fevereiro de 2021 – portanto, seus possíveis efeitos poderão ser observados apenas no próximo boletim", destaca o governo do Estado. 
Além de determinar novas regras para o funcionamento das atividades econômicas, o Executivo gaúcho anunciou na semana passada a ampliação no prazo para pagamento de tributos - o que também deve impactar no caixa do Estado. 
A arrecadação de ICMS indicou o sétimo mês consecutivo de variações positivas. Com isso, a arrecadação acumulada em 2021 é de R$ 7 bilhões, um aumento de R$ 215 milhões em relação ao período equivalente anterior (3,2%). Na visão dos últimos 12 meses, a arrecadação total é de R$ 37,92 bilhões – uma queda de R$ 1,2 bilhão frente aos 12 meses imediatamente anteriores (-3,2%).
A 32ª edição do Boletim sobre os impactos da Covid-19 nas movimentações econômicas dos contribuintes de ICMS do Rio Grande do Sul, divulgada na sexta-feira (12) aponta que a Indústria apresentou o nono mês consecutivo de variações positivas nas vendas, com +33,1% em fevereiro frente ao mesmo mês do ano anterior. O indicador havia sido de +23,5% em dezembro e +19,2% em janeiro. Os setores do Agronegócio e da área Metalmecânica foram os que mais influenciaram no resultado positivo.
Outro fator que vem impactando os resultados comparativos é a desvalorização do real frente ao dólar, com consequente aumento do preço dos combustíveis e elevação no preço de commodities no mercado externo, gerando uma forte onda de pressão de preços nas empresas – e isso é refletido nas variações apresentadas, que são corrigidas pelo IPCA (índice que não reflete a alta ainda concentrada na cadeia produtiva).
Dentre os 19 setores industriais analisados, apenas dois registraram variação negativa em fevereiro (Bebidas, com -2,1%, e Coureiro-calçadista, com -1,7%). Com isso, no acumulado da crise (16 de março de 2020 a 28 de fevereiro de 2021), a atividade industrial agora acumula ganhos de +8,7% na comparação com o período equivalente anterior.
O Atacado apresentou variação mensal em fevereiro na ordem de +26,5% em comparação com o mesmo mês do ano anterior, após ter apresentado ganhos de +10,5% em dezembro e +10,1% em janeiro. As principais influências positivas para a performance do indicador foram os desempenhos dos setores atacadistas de Insumos Agropecuários (+55,9%) e Alimentos (+25,6%), especialmente em decorrência do aumento nas operações com inseticidas, trigo, subprodutos de soja, e arroz. 
O setor atacadista de Combustíveis (+0,2%) apresentou estabilidade pela primeira vez desde o início das análises, também impactado pelo aumento nos preços. Por outro lado, o setor Bebidas (-3,9%) apresentou em fevereiro variação negativa pelo terceiro mês seguido, indicando menor volume de operações em 2021 em comparação com o mesmo período de 2020. Em janeiro, este indicador foi de -9,5%. No acumulado desde o início da pandemia, a atividade atacadista agora registra ganho de +3,8%.
A atividade Varejista, por sua vez, registrou indicador interanual de +9,1% no mês de fevereiro. É o sétimo mês consecutivo sem apresentar variação negativa para a atividade. Os setores com maior contribuição para o resultado foram Supermercados (+8,8%) e Materiais de Construção (+29,7%). Além disso, apresentaram variações positivas os setores de Medicamentos (+16,8%), Lojas de Departamento e Magazines (+14%), Pneumáticos e Borracha (+34,2%), Eletroeletrônicos (+9,7%), Móveis (+26,3%) e Veículos (+7,3%).
Os valores do boletim são corrigidos pelo índice geral do IPCA – contudo, conforme o IBGE, a variação de preços nos últimos meses tem sido maior que isso para alguns setores, como Alimentação e bebidas e Artigos de residência, o que pode influenciar na variação positiva detectada para setores relacionados.
O varejo de Combustíveis, tal como observado no atacado, registrou variação positiva em fevereiro (+1%). As mesmas ressalvas sobre pressão de preços se aplicam neste caso. Já os varejistas de Cosméticos (-6,1%) e Vestuário (-17,9%) registraram queda, refletindo a diminuição das operações nestes setores em comparação ao mesmo período do ano anterior.
Comentários CORRIGIR TEXTO