Porto Alegre, quarta-feira, 03 de março de 2021.
Dia do Meteorologista.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 03 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura internacional

- Publicada em 09h56min, 03/03/2021.

Veja o desempenho do PIB de vários países em 2020 e no 4º trimestre

PIB brasileiro caiu 4,1% em 2020 e cresceu 3,2% no último trimestre de 2020

PIB brasileiro caiu 4,1% em 2020 e cresceu 3,2% no último trimestre de 2020


MAURO PIMENTEL/AFP/JC
Com um pacote bilionário de estímulos econômicos e uma atuação governamental errática no combate à pandemia, o Brasil terminou o ano em uma posição intermediária no ranking de desempenho econômico de 2020. O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil caiu 4,1% em 2020 e cresceu 3,2% no último trimestre de 2020.
Com um pacote bilionário de estímulos econômicos e uma atuação governamental errática no combate à pandemia, o Brasil terminou o ano em uma posição intermediária no ranking de desempenho econômico de 2020. O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil caiu 4,1% em 2020 e cresceu 3,2% no último trimestre de 2020.
De acordo com dados coletados pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), apenas a China terminou o ano com crescimento, de 2,3%, entre países que já divulgaram o PIB de 2020. Apesar do dado positivo, que mostra um retorno de fato ao patamar pré-crise, o crescimento chinês é o mais baixo desde 1976, quando houve contração quase na mesma magnitude.
Alguns outros países asiáticos e nórdicos, como Coreia do Sul, Indonésia, Noruega e Suécia, que sofreram relativamente menos com a pandemia, tiveram desempenho negativo, mas com resultados melhores que o Brasil.
Os EUA, com retração de 3,5%, se destaca entre as grandes economias desenvolvidas. Em meados do ano passado, as projeções apontavam para um resultado negativo de quase 7%. O Japão registrou queda de 4,8%.
Três grandes economias europeias se destacam entre os piores resultados: França (-8,2%), Reino Unido (-9,9%) e Espanha (-11%). A Alemanha, país europeu que adotou o maior volume de estímulos para a economia, teve contração de 5%.
Outros emergentes, como Rússia, Índia, África do Sul, Turquia, Austrália e Argentina ainda não divulgaram o resultado do ano.
De acordo com o Boletim Macro Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da FGV) de fevereiro, o ritmo de vacinação vem se tornando o principal determinante do quanto e de quando as economias vão se recuperar neste ano. Reino Unido e EUA, que avançam mais rapidamente, vão puxar o crescimento mundial, enquanto os emergentes latino-americanos devem seguir com desempenho relativamente fraco.
As projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI) para 2021 são de crescimento de 3,6% para o Brasil, 4,2% para os países da Zona do Euro, 5,1% para os EUA e 8,1% para a China.

Pacote de estímulos

O pacote de estímulos do Brasil para enfrentar a pandemia ficou entre os maiores verificados em todo o mundo, fator que contribuiu para evitar uma contração maior da economia no ano passado.
O país anunciou medidas equivalentes a 12% do PIB, segundo dados da equipe responsável pelo Índice de Estímulo Econômico da Covid-19, das universidades Columbia (EUA), Sungkyunkwan (Coreia do Sul) e Eskisehir Osmangazi (Turquia).
Com isso, ocupou a 27ª posição entre 168 nações. Na comparação com o PIB, o gasto se aproxima do verificado em países como Austrália, supera todos os Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e todos os países relevantes da América Latina (o Chile gastou 10%). Está também apenas dois pontos percentuais abaixo do verificado nos EUA.
O pacote brasileiro inclui, entre outras medidas, o auxílio emergencial para trabalhadores informais, o programa de retenção de emprego, recursos para saúde, transferências para estados e municípios e garantia de crédito em empréstimos para empresas. Também são computadas medidas para garantir maior oferta de crédito no sistema financeiro que não têm impacto nas contas públicas.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO