Porto Alegre, quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021.
Dia da Criação do Ministério das Comunicações.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

tributos

- Publicada em 12h01min, 25/02/2021.

Arrecadação federal começa 2021 em queda e aponta perda de força da atividade econômica com Covid

A Receita Federal registrou uma arrecadação de R$ 180,2 bilhões em janeiro, uma queda real de 1,5% na comparação com o mesmo mês de 2020. Os dados mostram que a atividade econômica segue prejudicada pelos efeitos da Covid-19, que chegou ao Brasil no fim de fevereiro.
A Receita Federal registrou uma arrecadação de R$ 180,2 bilhões em janeiro, uma queda real de 1,5% na comparação com o mesmo mês de 2020. Os dados mostram que a atividade econômica segue prejudicada pelos efeitos da Covid-19, que chegou ao Brasil no fim de fevereiro.
O resultado interrompe a sequência de cinco meses de recuperação no fim de 2020 e pressiona as perspectivas para as contas públicas neste começo de ano.
Em 2020, a pandemia havia afetado os dados com mais força de abril a julho. Nesse período, o percentual de queda na receita chegou a dois dígitos (na comparação com os respectivos meses do ano anterior). A partir de agosto, os dados mostraram crescimento até o mês de dezembro.
Mesmo com a melhora no fim de 2020, no entanto, a arrecadação terminou o ano passado com um resultado de R$ 1,526 trilhão - uma queda real de 6,91% em relação ao ano anterior. O resultado foi o mais baixo em dez anos, já considerando a série histórica atualizada pela inflação.
De acordo com a Receita, o resultado de janeiro de 2021 foi influenciado por indicadores macroeconômicos em nível inferior ao do início do ano passado -como as vendas de serviços e o valor em dólar de importações.
Por outro lado, a produção industrial e a venda de bens mostram sinais de recuperação ao crescerem no mesmo período.
Dentre os tributos, a maior retração em valores brutos na comparação com janeiro de 2020 foi observada na receita previdenciária. A queda indica um mercado de trabalho menos aquecido do que no começo de 2020.
Também afetou os números o crescimento das compensações tributárias, quando empresas alegam à Receita terem créditos com o Fisco e abatem o pagamento de impostos. O valor chegou a R$ 23 bilhões em janeiro, um crescimento de 38% em relação a um ano antes.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO