Porto Alegre, terça-feira, 23 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 23 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 18h34min, 23/02/2021. Atualizada em 18h42min, 23/02/2021.

Bolsas de NY fecham sem sinal único, puxadas por Powell e com Treasuries no radar

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,05%, aos 31.537,35 pontos

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,05%, aos 31.537,35 pontos


MARCELLO CASAL JR/ABR /JC
As bolsas de Nova York fecharam sem sinal único nesta terça-feira (23) após operar grande parte do dia em baixa, com grande atenção aos Treasuries. No entanto, as declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, foram vistas como acomodatícias, e estimularam os mercados. Companhias aéreas e petroleiras tiveram ganhos, em meio à expectativa de melhora no cenário pandêmico. Entre as empresas de tecnologia, as disputas pelos pagamentos por notícias em suas plataformas ganharam atenção.
As bolsas de Nova York fecharam sem sinal único nesta terça-feira (23) após operar grande parte do dia em baixa, com grande atenção aos Treasuries. No entanto, as declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, foram vistas como acomodatícias, e estimularam os mercados. Companhias aéreas e petroleiras tiveram ganhos, em meio à expectativa de melhora no cenário pandêmico. Entre as empresas de tecnologia, as disputas pelos pagamentos por notícias em suas plataformas ganharam atenção.
O índice Dow Jones fechou em alta de 0,05%, aos 31.537,35 pontos. O S&P 500 teve ganho de 0,13%, a 3.881,37 pontos, e o Nasdaq cedeu 0,50%, a 13.465,20 pontos.
As bolsas abriram em baixa nesta terça, seguindo a tendência de alta nos rendimentos dos Treasuries, que vem afetando os mercados acionários. "Nosso cenário base é que as taxas continuarão subindo devido ao crescimento e às expectativas de inflação e, eventualmente, à normalização Fed", avalia a LPL Markets, que cita as altas nos juros dos títulos de 10 anos em um ano.
No entanto, o quadro se alterou com o testemunho de Powell ao Senado nesta terça. Mantendo sua postura dovish, o presidente do Fed notou que há um "longo caminho a percorrer" até a recuperação, em quadro de desemprego ainda bastante alto nos EUA, notando que a recuperação "desacelerou substancialmente" no país.
Com o petróleo fechando em mais uma alta em Londres e Nova York, companhias do setor tiveram altas, e Chevron (1,19%) e ExxonMobil (1,47%) avançaram.
Segundo perspectivas de melhoras do cenário da pandemia de covid-19 em meio à vacinação, companhias aéreas, especialmente sujeitas ao noticiário sobre a doença, também tiveram altas. American Airlines (1,08%), Delta (1,38%) e United (1,83%) subiram.
A ação da Tesla chegou a recuar mais de 10%, atrelada aos movimentos de queda desta terça do Bitcoin. No entanto, a aquisição de criptomoedas pela companhias foi ofuscada durante a sessão, e a Tesla fechou em baixa de 2,19%.
O Facebook avançou 2,12%, em sessão marcada pela informação de que a rede social voltará a publicar notícias na Austrália, em uma disputa que vem ganhando as atenções por possíveis precedentes para o pagamento por conteúdos que circulam na rede social. Por sua vez, a Microsoft, que apoiou uma rede de publishers europeus pelo pagamento por notícias por parte das big techs, recuou 0,53%. Já o Twitter retomou sua tendência recente de ganhos, e teve alta de 3,80%.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO