Porto Alegre, segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 18h36min, 22/02/2021.

Bolsas de Nova York fecham sem sinal único

As bolsas de Nova York fecharam sem sinal único nesta segunda-feira (22) em sessão com forte atenção para o movimento dos rendimentos dos Treasuries, que registraram máxima em um ano. As perspectivas de retomada econômica, após melhora no quadro da pandemia, e da aprovação do pacote fiscal nos Estados Unidos deram impulso a alguns setores, com ações ligadas a viagens em alta. A forte alta no preço do petróleo levou a avanços nos papéis de petroleiras.
As bolsas de Nova York fecharam sem sinal único nesta segunda-feira (22) em sessão com forte atenção para o movimento dos rendimentos dos Treasuries, que registraram máxima em um ano. As perspectivas de retomada econômica, após melhora no quadro da pandemia, e da aprovação do pacote fiscal nos Estados Unidos deram impulso a alguns setores, com ações ligadas a viagens em alta. A forte alta no preço do petróleo levou a avanços nos papéis de petroleiras.
O índice Dow Jones fechou em alta de 0,09%, aos 31.521,69 pontos. O S&P 500 teve baixa de 0,77%, a 3.876,49 pontos, e o Nasdaq avançou 2,46%, a 13.533,05 pontos.
As ações ligadas ao petróleo avançaram, com os barris da commodity registrando altas entre 3% e 4% em Londres e Nova York. As petroleiras Chevron (+3,41%) e ExxonMobil (+3,69%) seguiram a tendência. A possibilidade de aprovação do pacote de resgate de US$ 1,9 trilhão proposto pelo presidente Joe Biden nos EUA levou a uma perspectiva por alta na demanda no maior consumidor mundial de petróleo. O Comitê Orçamentário da Câmara dos Representantes do país votou nesta segunda a favor de avançar com o projeto de lei sobre o tema.
As perspectivas de melhoras no quadro da pandemia de covid-19 levaram também a uma alta em papéis dos setores ligados a viagens, especialmente atrelados ao noticiário sobre a doença. Entre as companhias aéreas, American Airlines (+9,42%), Delta (+4,53%) e United Airlines (+3,48%) avançaram. A Royan Caribbean Cruises também aproveitou o movimento e avançou 9,33%. Já as ações da Boeing caíram 2,11%, depois que a empresa recomendou a suspensão de uso das aeronaves 777, em resposta à explosão do motor de um avião deste modelo em Denver, nos EUA, neste fim de semana.
Por outro lado, o aumento das expectativas de inflação nos EUA levou a uma inclinação na curva de juros dos Treasuries. Os rendimentos dos títulos soberanos no mundo entraram em um movimento de alta nos últimos dias, com os da T-note de 10 anos alcançando seu maior valor em um ano nesta segunda.
Gerente de portfólio da PineBridge Investments, Hani Redha explica que o cenário tende a penalizar os mercados acionários. "Quanto você está disposto a pagar pelas ações? Se você está obtendo um rendimento muito baixo dos títulos, deveria estar disposto a pagar um valor mais alto pelas ações. Mas isso começa a mudar quando os rendimentos dos títulos sobem", explica.
As ações de tecnologia foram algumas das mais penalizadas nesta segunda. O Twitter teve baixa de 2,52%, após vir acumulando altas recentes que deixaram os papéis próximos da máxima histórica. Amazon (-2,13%) e Alphabet (-1,65%) também registraram quedas.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO