Porto Alegre, segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 15h09min, 22/02/2021.

Bolsas da Europa fecham em queda em meio a preocupações com juros de títulos

O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o pregão com perda de 0,44%, a 413,06 pontos

O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o pregão com perda de 0,44%, a 413,06 pontos


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
As bolsas da Europa fecharam em queda nesta segunda-feira (22) em meio ao crescente foco no avanço das expectativas de inflação nas economias avançadas. O movimento tende a impulsionar os juros dos títulos soberanos, o que desestimula a busca por ações.
As bolsas da Europa fecharam em queda nesta segunda-feira (22) em meio ao crescente foco no avanço das expectativas de inflação nas economias avançadas. O movimento tende a impulsionar os juros dos títulos soberanos, o que desestimula a busca por ações.
O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o pregão com perda de 0,44%, a 413,06 pontos.
A evolução da campanha de vacinação contra o coronavírus e a implementação de medidas de estímulos fiscais têm favorecido a recuperação econômica, em uma tendência que se converte em pressões inflacionárias e alta nos rendimentos longos dos títulos públicos. No período da manhã, o retorno do Gilt do Reino Unido de 10 anos atingiu maior valor em 11 meses, seguindo recordes semelhantes dos papéis de França, Alemanha e Estados Unidos.
"Estamos preocupados com o aumento dos rendimentos dos EUA, que podem se tornar mais desestabilizadores para ativos de risco se continuarem a subir acentuadamente", explicou o analista de câmbio Lee Hardman, do MUFG.
Diante desse contexto, os índices acionários europeus iniciaram a semana no vermelho. O FTSE 100, de Londres, caiu 0,18%, a 6.612,24 pontos, e deixou em segundo plano os relatos de que o governo do Reino Unido pretende iniciar o plano de relaxamento das medidas de restrição à mobilidade impostos por conta da covid-19.
Em Frankfurt, o DAX cedeu 0,31%, a 13.950,04 pontos, apesar dos sinais positivos sobre a economia da Alemanha. O instituto Ifo informou nesta segunda-feira que o índice de sentimento das empresas no país subiu de 90,3 pontos em janeiro para 92,4 pontos em fevereiro, acima das expectativas do mercado.
O índice CAC 40, de Paris, recuou 0,11%, a 13.950,04 pontos, enquanto o FTSE MIB, de Milão, perdeu 0,55%, a 23.009,18 pontos.
Durante evento virtual, a presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, defendeu a contínua coordenação das políticas fiscal, monetária e regulatória durante a fase de retomada. "A pandemia ainda não acabou. O alinhamento de políticas continuará sendo um imperativo para o que está por vir", disse.
Entre as praças ibéricas, o Ibex 35, de Madri, baixou 0,48%, a 8.112,20 pontos e o PSI 20, de Lisboa, diminuiu 0,91%, a 4.774,28 pontos.
*Com informações da Dow Jones Newswires
 
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO