Porto Alegre, quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado imobiliário

- Publicada em 10h42min, 18/02/2021.

Preço médio de locação residencial em Porto Alegre tem queda em janeiro

O preço médio do aluguel na Capital é de R$ 24,73 o metro quadrado, abaixo da média nacional

O preço médio do aluguel na Capital é de R$ 24,73 o metro quadrado, abaixo da média nacional


MARIANA ALVES/JC
O preço médio do aluguel de apartamentos prontos em Porto Alegre encerrou janeiro com queda de 0,56%. A capital gaúcha apresentou a maior desaceleração entre as cidades monitoradas pelo Índice FipeZap de Locação Residencial, divulgado nesta quinta-feira (18). Nos últimos 12 meses, no entanto, há leve alta acumulada no valor do aluguel no município (0,31%).
O preço médio do aluguel de apartamentos prontos em Porto Alegre encerrou janeiro com queda de 0,56%. A capital gaúcha apresentou a maior desaceleração entre as cidades monitoradas pelo Índice FipeZap de Locação Residencial, divulgado nesta quinta-feira (18). Nos últimos 12 meses, no entanto, há leve alta acumulada no valor do aluguel no município (0,31%).
O preço médio do aluguel na Capital é de R$ 24,73 o metro quadrado, abaixo da média nacional para o mês de janeiro (R$ 30,60/m²). Os bairros porto-alegrenses com o metro quadrado mais caros são Jardim Europa (R$ 50,23/m²), Três Figueiras (R$ 48,49/m²), Praia de Belas (R$ 41,58/m²), Vila Jardim (R$ 36,21/m²), Moinhos de Vento (R$ 34,05/m²). Os bairros com aluguem mais em conta são Jardim Leopoldina (R$ 14,68/m²), Santa Rosa de Lima (R$ 14,67/m²), Rubem Berta (R$ 14,09/m²), Restinga (R$ 12,67/m²) e Campo Novo (R$ 11,97/m²).
No Brasil, o preço médio do aluguel encerrou janeiro de 2021 com alta mensal de 0,21%, um aumento menos pronunciado que o registrado no mês anterior (0,43%). Comparativamente, a variação foi inferior à inflação registrada pelo IPCA/IBGE (+0,25%) e pelo IGP-M/FGV (+2,58%), resultando em queda real do preço médio.
Individualmente, o comportamento do preço médio do aluguel em janeiro refletiu o avanço do preço médio verificado na maior parte das capitais monitoradas, incluindo as altas contabilizadas em: Salvador (1,18%), Recife (0,88%), Florianópolis (0,87%), Curitiba (0,82%) e Rio de Janeiro (0,74%). Em contraste, as capitais que registraram recuos no primeiro mês de 2021, além de Porto Alegre, foram Fortaleza (-0,36%), Goiânia (-0,31%), São Paulo (-0,29%) e Brasília (-0,15%). 
Na análise do acumulado em 12 meses, o índice apresentou uma alta acumulada de 2,31%, resultado que manteve a variação do preço médio do aluguel abaixo da inflação medida pelo IPCA/IBGE (4,56%) e pelo IGP-M/FGV (25,71%). À exceção de Curitiba e Fortaleza, onde o Índice FipeZap de Locação Residencial registrou quedas respectivas de 0,75% e 0,17% no preço médio, as demais capitais monitoradas apresentaram elevação de preço médio do aluguel no acumulado no ano. As maiores altas foram em Goiânia (6,86%), Belo Horizonte (6,57%) e Salvador (5,63%).
Entre as 11 capitais monitoradas, São Paulo se manteve como a capital com o preço médio mais elevado (R$ 40,01/m²), seguida pelos valores médios registrados em Brasília (R$ 32,28/m²), Recife (R$ 31,94/m²) e Rio de Janeiro (R$ 31,11/m²). Já entre as capitais com menor valor de locação residencial, destacaram-se: Fortaleza (R$ 17,31/m²), Goiânia (R$ 18,76/m²), Curitiba (R$ 20,93/m²) e Belo Horizonte (R$ 23,69/m²).
Calculada através da razão entre o preço médio de locação e o preço médio de venda dos imóveis (rental yield) para o investidor que opta em adquirir o imóvel com a finalidade de obter renda com aluguel ao longo do tempo, o retorno médio do aluguel residencial (anualizado) encerrou janeiro de 2021 em 4,69%. O percentual marginalmente inferior ao registrado há 12 meses (recuo de 0,01 ponto percentual) mas ainda assim superior à rentabilidade média projetada de aplicações financeiras de referência.
Comentários CORRIGIR TEXTO