Porto Alegre, quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 09h33min, 18/02/2021.

IPC-S desacelera a 0,35% na 2ª quadrissemana de fevereiro, com 0,40% na anterior

A taxa de variação caiu para cinco categorias, sendo a mais relevante a Alimentação

A taxa de variação caiu para cinco categorias, sendo a mais relevante a Alimentação


JONATHAN HECKLER/JC
O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) da segunda quadrissemana de fevereiro desacelerou a 0,35%, de 0,40% na quadrissemana anterior, informou nesta quinta-feira (18) a Fundação Getulio Vargas (FGV). Considerando a nova divulgação, o IPC-S acumulou alta de 5,22% nos últimos 12 meses e 0,62% neste ano.
O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) da segunda quadrissemana de fevereiro desacelerou a 0,35%, de 0,40% na quadrissemana anterior, informou nesta quinta-feira (18) a Fundação Getulio Vargas (FGV). Considerando a nova divulgação, o IPC-S acumulou alta de 5,22% nos últimos 12 meses e 0,62% neste ano.
Cinco das oito categorias que compõem o indicador apresentaram decréscimo nas suas taxas de variação. A mais relevante delas veio de Alimentação (1,02% para 0,57%), sob influência do item hortaliças e legumes (4,80% para 1,43%).
Também houve desaceleração em Educação, Leitura e Recreação (1,45% para 1,11%), Vestuário (0,19% para -0,31%), Despesas Diversas (0,30% para 0,25%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,22% para 0,19%). Nestes grupos, os destaques foram, respectivamente, cursos formais (4,76% para 3,17%), roupas (0,10% para -0,38%), clínica veterinária (0,74% para 0,26%) e médico, dentista e outros (0,66% para 0,65%).
No sentido oposto, houve aceleração nos grupos Habitação (-0,89% para -0,61%), Transportes (1,05% para 1,26%) e Comunicação (0,02% para 0,05%), sendo que os itens que mais pesaram foram tarifa de eletricidade residencial (-5,44% para -3,98%), gasolina (3,02% para 3,64%) e mensalidade para TV por assinatura (-0,34% para -0,17%).
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO