Porto Alegre, quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021.
Aniversário da Casa da Moeda do Brasil.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 11h38min, 11/02/2021.

Autonomia do BC, balanços e exterior puxam recuperação do Ibovespa

Às 11h09min, o Ibovespa subia 0,99%, aos 119.613,16 pontos

Às 11h09min, o Ibovespa subia 0,99%, aos 119.613,16 pontos


NELSON ALMEIDA/AFP/JC
Aprovação da autonomia do Banco Central (BC), balanços corporativos melhores do que esperado e tranquilidade externa são alguns dos vetores de alta do Ibovespa nesta quinta-feira (11). Depois de três quedas seguidas - nessa quarta caiu 0,87%, aos 118.435,33 pontos -, o índice brasileiro se distancia dessa marca considerada importante para ser mantida por analistas a fim de evitar tendência de queda, retomando os 119 mil pontos.
Aprovação da autonomia do Banco Central (BC), balanços corporativos melhores do que esperado e tranquilidade externa são alguns dos vetores de alta do Ibovespa nesta quinta-feira (11). Depois de três quedas seguidas - nessa quarta caiu 0,87%, aos 118.435,33 pontos -, o índice brasileiro se distancia dessa marca considerada importante para ser mantida por analistas a fim de evitar tendência de queda, retomando os 119 mil pontos.
Às 11h09min, o Ibovespa subia 0,99%, aos 119.613,16 pontos, mais perto da máxima (119.774,26 pontos) do que da mínima intradia (118.439,75 pontos). Das 82 ações que integram o índice, apenas três cediam. A maior queda era PetroRio ON (-1,38%) e menos intensa, Braskem PNA (-0,21%). Já Cgona ON perdia 0,47%.
Na véspera, o Ibovespa até testou os 117 mil pontos, mas foi pontual, em meio a preocupações com as contas públicas do País, já que parece dada a retomada do auxílio emergencial para famílias em situação de vulnerabilidade. Apesar de muitos defenderem a necessidade da volta do benefício, questionam de onde virão os recursos.
Nesta quinta, mais um indicador reforçou a fraqueza da atividade brasileira. O setor de serviços, que representa em torno de 70% do Produto Interno Bruto (PIB), amargou perda de 7,8% no ano passado, sentindo os efeitos da pandemia de Covid-19. Segundo Rodrigo Lobo, gerente da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o recrudescimento da pandemia é mais um limitador na recuperação do setor.
"Mostra que a atividade ainda precisa de alguma tração maior. Por isso, tem toda essa discussão quanto à retomada do auxílio emergencial, apesar do risco fiscal", afirma Lucas Carvalho, analista da Toro Investimentos. A despeito dessa percepção, o tom é positivo na Bolsa, após a aprovação da autonomia do BC na quarta. "Pode ser o início de melhores expectativas em relação às reformas", estima Carvalho.
Para o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, a aprovação foi um teste importante para o governo a fim de ver como está o clima no Congresso para tentar avançar as reformas. "E parece que isso está bem alinhado", afirma. "É uma decisão extremamente importante e positiva. Com ela, o BC pode melhorar e desenvolver mecanismos que possam contribuir para um ambiente econômico mais favorável ao Brasil", acrescenta.
No entanto, o estrategista-chefe do Grupo Laatus, Jefferson Laatus, observa que apesar de o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), que é aliado do governo, estar sendo visto como um dos principais responsáveis por esse avanço, lembra que o projeto já estava pronto. No entanto, reconhece que é uma vitória do Centrão, que normalmente costuma cobrar caros por seus apoios. "Sem dúvida, mostrou a força do Centrão que tem poder de conseguir aprovar reformas, privatizações... Porém, também tem o poder de barganha com o presidente Jair Bolsonaro. Ou seja, temos um desequilíbrio aí. Temos de acompanhar como isso se dará", avalia em análise matinal a clientes e à imprensa.
Tanto no Brasil quanto no exterior, no geral, a safra de balanços de influencia de forma positiva os negócios. Internamente, a Suzano registrou no quarto trimestre do ano passado lucro líquido cinco vezes maior que o apresentado no mesmo período de 2019, chegando a R$ 5,914 bilhões. Ainda assim, teve prejuízo de R$ 10,715 bilhões em 2020. Além disso, a Suzano assinou contrato de pré-pagamento de exportação vinculado à sustentabilidade, contratado por sua subsidiária integral Suzano Pulp and Paper Europe, no valor de US$ 1,570 bilhão. Os papéis subiam 2,27%.
Nos EUA, a PepsiCo teve lucro líquido de US$ 1,85 bilhão no quarto trimestre de 2020, um pouco maior do que o ganho de US$ 1,77 bilhão obtido em igual período de 2019. Ainda por lá, as ações da Novavax sobem após a Reuters informar que a União Europeia poderá assinar um contrato com a empresa nesta ou na próxima semana, para adquirir novas doses da vacina experimental contra a Covid-19 desenvolvida pelo laboratório.
"Exterior Ainda tem reflexos da fala do Powell Jerome Powell, presidente do Fed de continuar com a recompra de ativos, de injetar liquidez e que os juros devem continuar baixos por algum tempo", completa o analista da Toro, ressaltando ainda a primeira ligação do presidente dos EUA, Joe Biden, para o presidente da China, Xi Jinping. "Apesar da manutenção dos tributos do governo anterior, o telefonema indica o início das formalidades diplomáticas, mas temos de esperar para ver como de fato será essa dinâmica."
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO