Porto Alegre, quarta-feira, 03 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 03 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 10h05min, 03/02/2021.

Dólar cai com Congresso no radar, após abrir com viés de alta por exterior

Às 9h49min, o dólar à vista caía 0,28%, a R$ 5,3397

Às 9h49min, o dólar à vista caía 0,28%, a R$ 5,3397


MARCELLO CASAL JR/AGÊNCIA BRASIL/JC
O dólar à vista está volátil e retoma a queda, após operar com viés de alta frente o real nos primeiros negócios desta quarta-feira (3). Na terça (2) já havia caído 1,74%. A perda de força local acompanha o enfraquecimento do dólar ante alguns pares emergentes e ligados a commodities, como peso mexicano, e os investidores aguardam o avanço da pauta econômica e de reformas no Congresso.
O dólar à vista está volátil e retoma a queda, após operar com viés de alta frente o real nos primeiros negócios desta quarta-feira (3). Na terça (2) já havia caído 1,74%. A perda de força local acompanha o enfraquecimento do dólar ante alguns pares emergentes e ligados a commodities, como peso mexicano, e os investidores aguardam o avanço da pauta econômica e de reformas no Congresso.
Às 9h49min, o dólar à vista caía 0,28%, a R$ 5,3397, após subir até R$ 5,3787. O dólar futuro para março recuava 0,53%, a R$ 5,3420, ante máxima em alta a R$ 5,3810.
Estão no radar global as negociações em torno do pacote fiscal dos EUA e a esperança é de um acordo meio-termo, entre a proposta dos Republicanos de cerca de US$ 600 bilhões em estímulos e a do presidente democrata, Joe Biden de US$ 1,9 trilhão.
Mais cedo, ajudou no viés de alta um ligeiro fortalecimento do índice DXY do dólar frente divisas principais em meio ao viés de baixa do Dow Jones Futuro em Nova York.
Em Brasília, os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), fizeram pronunciamento conjunto e devem levar ao presidente Jair Bolsonaro um documento com intenções do Congresso Nacional, nesta manhã. Trata-se de uma agenda mínima de consenso entre as duas Casas legislativas, como a aprovação de reformas econômicas e a vacinação contra a Covid-19. Ambos também vão conversar nesta quarta sobre o cronograma para instalação da Comissão Mista de Orçamento (CMO) e votação do projeto no plenário. Pacheco quer aprovar a proposta até março no Senado.
No radar também está a notícia de que a comissão mista de reforma tributária da Câmara e do Senado pode "morrer" sem a apresentação do relatório final. O colegiado, formado no ano passado para construir um texto de convergência das propostas de reforma de simplificação no pagamento de impostos que tramitam nas duas Casas, tem prazo de funcionamento até 31 de março. Se a comissão mista acabar, o cenário mais provável é que as duas PECs (a 45 da Câmara e a 110 do Senado) sejam discutidas paralelamente, o que é visto pelos defensores da comissão mista como uma volta à estaca zero.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO