Porto Alegre, quarta-feira, 03 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 03 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado imobiliário

- Publicada em 09h52min, 03/02/2021. Atualizada em 10h27min, 03/02/2021.

Preços de venda de imóveis residenciais sobem 0,62% em Porto Alegre em janeiro

Em Porto Alegre a alta foi de +0,62%

Em Porto Alegre a alta foi de +0,62%


MARCO QUINTANA/JC
O ano abriu com preços em alta para aquisição de imóveis. O Índice FipeZap, que monitora o preço médio de venda das unidades residenciais em 50 cidades brasileiras, apontou alta de 0,35% em janeiro. Em Porto Alegre, a elevação ficou em 0,62%, quase o dobro da média geral em pontos percentuais.
O ano abriu com preços em alta para aquisição de imóveis. O Índice FipeZap, que monitora o preço médio de venda das unidades residenciais em 50 cidades brasileiras, apontou alta de 0,35% em janeiro. Em Porto Alegre, a elevação ficou em 0,62%, quase o dobro da média geral em pontos percentuais.
A variação positiva já havia ficado em 0,46% em dezembro de 2020 e, segundo expectativa publicada no último Boletim Focus do Banco Central, a nova variação superou o comportamento esperado do IPCA/IBGE para o mês, projetado em 0,30% em todo o País. 
Conforme o estudo, o preço médio de comercialização de residenciais abrirá o ano de 2021 com alta de 0,05% em termos reais. O avanço foi impulsionado pelo aumento de valores de venda de imóveis em 13 das 16 capitais monitoradas. Além de Porto Alegre, houve inflação de preços na comercialização de unidades residenciais em Maceió (1,82%), Manaus (1,43%), Curitiba (1,15%), Vitória (0,90%), Florianópolis (0,88%), Goiânia (0,74%), João Pessoa (0,72%), Brasília (0,69%) e São Paulo (0,46%).
Apenas três capitais registraram recuos nos preços: Belo Horizonte (-0,53%), Campo Grande (-0,13%) e Fortaleza (-0,13%). No Rio de Janeiro, outro município com peso importante na composição do Índice FipeZap, houve elevação de 0,26%. 
Segundo a análise dos últimos 12 meses, o Índice FipeZap acumulou alta nominal de 3,87%, ante variação de 4,61% esperada para o IPCA/IBGE nesse período. Na comparação entre a variação acumulada do Índice FipeZap e a inflação esperada, a expectativa é que o preço médio de venda dos imóveis residenciais encerre o período com queda real de 0,70%. 
Somente em Recife o preço médio de venda residencial acumula uma retração de 0,28% nos últimos 12 meses. Nas demais capitais monitoradas, as variações são positivas, com destaque novamente para Manaus (11%), Brasília (9,52%), Maceió (9,48%), Curitiba (9,32%), Vitória (7,78%), Florianópolis (7,35%) e Campo Grande (5,12%). Em São Paulo e no Rio de Janeiro, os preços médios de venda de imóveis do segmento residencial acumulam altas de 3,91% e 1,88%, respectivamente. Já a capital gaúcha teve alta de 2,95% no acumulado do ano.
Ainda de acordo com o estudo, a venda residencial adentra fevereiro com preço médio de R$ 7.524/m². Mais especificamente, as capitais monitoradas que registraram o preço de venda mais elevado no último mês foram: Rio de Janeiro (R$ 9.470/m²), São Paulo (R$ 9.366/m²) e Brasília (R$ 8.099/m²). Porto Alegre registrou preço médio de R$ 6.088/m².
Já entre as capitais monitoradas com menor valor médio de venda residencial por metro quadrado no último mês, destacaram-se: Campo Grande (R$ 4.306/m²), Goiânia (R$ 4.531/m²) e João Pessoa (R$ 4.544/m²).
Comentários CORRIGIR TEXTO