Porto Alegre, quinta-feira, 29 de abril de 2021.
Porto Alegre,
quinta-feira, 29 de abril de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Logística

- Publicada em 16h42min, 18/01/2021.

Portos de Rio Grande, Pelotas e da Capital têm queda de 8,11% na movimentação em 2020

Pandemia afetou transporte de cargas portuárias

Pandemia afetou transporte de cargas portuárias


WENDERSON ARAUJO/TRILUX/CNA/JC
A Superintendência dos Portos do Rio Grande do Sul (Portos RS) divulgou nesta segunda-feira (18) o resultado do ano de 2020 dos três portos do Estado sob sua administração: Rio Grande, Pelotas e Porto Alegre. As estruturas juntas movimentaram cerca de 39,9 milhões de toneladas em cargas no ano passado, contra aproximadamente 43,4 milhões de toneladas em 2019, uma redução de 8,11%. Entre outros fatores, a retração é reflexo das dificuldades enfrentadas com a pandemia do coronavírus.
A Superintendência dos Portos do Rio Grande do Sul (Portos RS) divulgou nesta segunda-feira (18) o resultado do ano de 2020 dos três portos do Estado sob sua administração: Rio Grande, Pelotas e Porto Alegre. As estruturas juntas movimentaram cerca de 39,9 milhões de toneladas em cargas no ano passado, contra aproximadamente 43,4 milhões de toneladas em 2019, uma redução de 8,11%. Entre outros fatores, a retração é reflexo das dificuldades enfrentadas com a pandemia do coronavírus.
Somente o porto de Rio Grande, ao longo de 2020, operou com em torno de 38 milhões de toneladas de carga (no ano anterior tinha sido 41,3 milhões de toneladas). Apesar dos problemas apresentados pela Covid-19, um dos destaques do ano passado para o complexo rio-grandino foi o mês de junho, período em que foi movimentado o montante de 4.401.716 toneladas, batendo o recorde mensal histórico que havia sido verificado em setembro de 2018, quando tinham sido operadas 4.340.915 toneladas.
Em relação aos principais destinos e origens das exportações e importações do porto do Rio Grande notam-se poucas diferenças percentuais em relação ao fechamento de 2019. A China, que detinha o primeiro lugar das exportações, com 58,38% das cargas embarcadas, manteve-se estável na mesma posição em 2020 com 52,77%. Já na partilha das importações a Argélia perdeu o posto de primeiro lugar para o Marrocos, que aumentou de 7,82% de participação nas importações para 9,27%.
Os carros chefes da movimentação do complexo portuário do Rio Grande ainda são a soja (grãos e farelos), representando mais de 32% da movimentação, e a celulose, que significa quase 9%. Algumas das mercadorias movimentadas que se destacaram em 2020 foram o arroz, cujo volume dos embarques aumentou em 21,74%, e os desembarques de fertilizantes, que subiram mais de 15% em relação a 2019.
Já o porto de Pelotas mostrou no fechamento de 2020 um incremento da movimentação de toras de madeira de cerca de 23 mil toneladas operadas a mais em relação ao ano de 2019, uma diferença positiva de 2,6%. Atualmente, o transporte de toras de madeira responde por mais de 90% da movimentação do porto pelotense.
Para o superintendente dos Portos do Rio Grande do Sul, Fernando Estima, 2021 se mostra uma grande janela para o fomento da logística multimodal - entre elas a hidroviária. Ele também cita entre os fatores que deverão atrair mais cargas para o Estado a homologação do novo calado do porto do Rio Grande, que já permite a movimentação de alguns dos maiores navios do mundo no canal rio-grandino.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário