Porto Alegre, quinta-feira, 29 de abril de 2021.
Porto Alegre,
quinta-feira, 29 de abril de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

bancos

- Publicada em 11h52min, 14/01/2021.

Talvez tenha ocorrido comunicação deficiente do BB sobre desligamentos, diz Mourão

O vice-presidente Hamilton Mourão apontou uma possível falha de comunicação no plano do Banco do Brasil (BB) para fechar agências e demitir funcionários. A situação levou o presidente Jair Bolsonaro a decidir demitir o atual presidente do banco, André Brandão, conforme o Estadão.
O vice-presidente Hamilton Mourão apontou uma possível falha de comunicação no plano do Banco do Brasil (BB) para fechar agências e demitir funcionários. A situação levou o presidente Jair Bolsonaro a decidir demitir o atual presidente do banco, André Brandão, conforme o Estadão.
"Eu acho que houve uma comunicação talvez deficiente do banco nisso aí, né? Porque normalmente as pessoas que queriam sair eram pessoas que já tinham completado o seu tempo para aposentar", disse Mourão no Palácio do Planalto. "Talvez pouquíssimas pessoas tivessem um rebaixamento de cargo e não pudessem se aposentar."
Na segunda-feira (11) a instituição informou ao mercado um plano de reorganização para ganhos de eficiência operacional que prevê, entre outras medidas, o fechamento de 112 agências da instituição, além de programas de desligamento, com expectativa de adesão de 5 mil funcionários. O banco estima que a implementação plena das medidas deve ocorrer durante o primeiro semestre deste ano.
A proposta do Banco do Brasil abriu uma crise no governo e deve levar à demissão do presidente do banco, André Brandão, menos de quatro meses após sua posse. O presidente Jair Bolsonaro decidiu demiti-lo pelo desgaste provocado com o anúncio, mas o ministro da Economia, Paulo Guedes, ainda tentava demovê-lo da ideia.
Perguntado sobre a crise, Mourão afirmou que o assunto não foi discutido com ele e que isso é tratado pelo presidente da República e por Guedes. Conforme o Estadão/Broadcast publicou, analistas classificaram a decisão como ingerência política do chefe do Planalto na estatal - na contramão do discurso que o elegeu em 2018.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário