Porto Alegre, quinta-feira, 14 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 14 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Tecnologia

- Publicada em 12h15min, 13/01/2021. Atualizada em 14h59min, 14/01/2021.

Governo do Estado lamenta falta de diálogo da União antes de extinção da Ceitec

Secretário de Ciência e Tecnologia ainda tenta preservar o patrimônio intelectual e produtivo

Secretário de Ciência e Tecnologia ainda tenta preservar o patrimônio intelectual e produtivo


JACKSON CICERI/ESPECIAL/JC
Thiago Copetti
Iniciada em dezembro e com processo parcialmente interrompido por decisão judicial nesta quarta-feira (13), a extinção do Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. (Ceitec) pela União é alvo de criticas do governo do Estado.
Iniciada em dezembro e com processo parcialmente interrompido por decisão judicial nesta quarta-feira (13), a extinção do Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. (Ceitec) pela União é alvo de criticas do governo do Estado.
De acordo Luís Lamb, secretário de Inovação, Ciência e Tecnologia (Sict), o governo gaúcho em nenhum momento foi chamado para discutir o tema pelo governo federal antes do anúncio do encerramento do centro de tecnologia localizado em Porto Alegre, em dezembro.
“É uma decisão tomada apenas pelo governo federal, que é acionista. Das decisões de 2019 e 2020, relativas ao fim do Ceitec, nós não participamos e nem fomos convidados a participar das reuniões. Mas colocamos sempre a importância ao Ministério de Ciência e Tecnologia em mais de um encontro”, diz Lamb.
Agora, ressalta o secretário, a prioridade do governo do Estado é preservar de alguma forma, os ativos intelectuais e também a fábrica. Ainda que o governo venha a efetivamente privatizar a unidade, Lamb pondera que a unidade precisa produtiva deve ser mantida.
“É um capital intelectual e produtivo importante para a economia do Estado e onde foram investidos milhões de Reais. Mas não somos consultados em nenhuma decisão. E como não temos participação acionária, nunca fomos consultados nas tomadas decisões da União”, lamenta o secretário.
Comentários CORRIGIR TEXTO