Porto Alegre, domingo, 10 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 10 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Serviços

- Publicada em 12h01min, 10/01/2021. Atualizada em 13h35min, 10/01/2021.

Entidades celebram adesão a regras de bandeira laranja em Porto Alegre

Para liberar setores, prefeitura promete apertar a fiscalização sobre os protocolos sanitários

Para liberar setores, prefeitura promete apertar a fiscalização sobre os protocolos sanitários


MARIANA ALVES/JC
Adriana Lampert
A partir deste domingo (10), Porto Alegre passa a adotar as regras da bandeira laranja do Sistema Estadual de Distanciamento Controlado. Varejo e serviços da Capital elogiaram as novas condições. O setor de eventos projeta retomada em março e já começará a encaminhar pedidos de liberação de atividades, seguindo os protocolos de acordo com a capacidade. 
A partir deste domingo (10), Porto Alegre passa a adotar as regras da bandeira laranja do Sistema Estadual de Distanciamento Controlado. Varejo e serviços da Capital elogiaram as novas condições. O setor de eventos projeta retomada em março e já começará a encaminhar pedidos de liberação de atividades, seguindo os protocolos de acordo com a capacidade. 
A medida consta do decreto 20.892 e foi possível por conta do Plano de Cogestão Regional, assinado neste sábado (9), no Paço Municipal, pelo prefeito Sebastião Melo e gestores dos municípios que integram a R10. A aprovação flexibiliza atividades econômicas, mas endurece os protocolos sanitários e reforça a fiscalização.
Conforme o novo decreto, bares, restaurantes e lanchonetes passam a funcionar sem restrições de horário, mas ainda com a capacidade reduzida em 50%. O comércio essencial de rua (farmácias e supermercados) segue sem limite de ocupação de clientes, mas aumenta a possibilidade de equipes presenciais de 50% para 75%.
Empresas de outros segmentos varejistas, considerados não essenciais (confecções, por exemplo) ainda ficam restritas a funcionar com 50% dos trabalhadores, mas a restrição de horário termina. O mesmo ocorre nos shoppings-centers que podem fechar as portas de acordo com suas próprias regras, mas precisam atentar ao número de trabalhadores (50% das equipes) e à capacidade de público (que se mantém restrito a 50% da ocupação máxima).
O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Porto Alegre (CDL), Írio Piva, destaca que Melo "cumpriu o que prometeu" em campanha. Na última sexta-feira (08), o prefeito se reuniu com várias entidades para tratar do tema e pediu para que os dirigentes trabalhassem a conscientização dos consumidores. 
"É tudo que esperávamos, a responsabilidade tem que ser dividida entre lojistas, shoppings e consumidores", afirma o presidente do Sindicato dos Lojistas de Porto Alegre (Sindilojas-POA), Paulo Kruse. Ele observa que a entidade irá realizar nova campanha para a conscientização da população da importância do uso de máscara e álcool em gel.
Conforme o decreto, os protocolos sanitários devem ser mais rígidos.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/09/18/206x137/1_lp_180920___restaurantes__41_-9141908.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5f64df1449158', 'cd_midia':9141908, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/09/18/lp_180920___restaurantes__41_-9141908.jpg', 'ds_midia': 'Restaurantes abertos com serviços e clientes   Na foto: Ristorante Fontana ', 'ds_midia_credi': 'LUIZA PRADO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Restaurantes abertos com serviços e clientes   Na foto: Ristorante Fontana ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Setores, como restaurantes, terão de seguir e apresentar medidas sobre cuidados para evitar contaminação. Foto: Luiza Prado
"Assim será possível conciliar saúde e economia, precisamos aprender a conviver de maneira segura", ressalta Piva. "Sempre entendemos que é assim que deve ser. Nos comprometemos a ter todos os cuidados - o que não dá é para fechar o comércio, pois prejudica principalmente os pequenos empresários."
Kruse observa que a expectativa dos lojistas é que a partir da flexibilização as vendas voltem "à normalidade", e destaca que, com isso o setor enfrenta outro desafio, que é lidar com a falta de insumos, a exemplo de tecidos para o segmento de confecção.
Na opinião do presidente da CDL-POA, apesar da boa notícia não deve haver "grande impacto" nas vendas, que passariam a crescer de forma gradual. "O fundamental é que estamos preservando as conquistas que tivemos e, a partir do funcionamento com horário irrestrito passamos a ter mais possibilidades de conter as aglomerações." 
“A cogestão é muito importante para Porto Alegre, pois temos peculiaridades em relação às outras regiões do Rio Grande do Sul", avalia a presidente Associação Brasileira de Bares e Restaurantes do Estado (Abrasel-RS), Maria Fernanda Tartoni.
"Precisamos alavancar mais a retomada da economia, apenas abrir as portas não é solução", pondera. Na opinião de Maria Fernanda, é necessário fazer uma campanha conscientizando o público para se proteger, mas "destacando que com todos os cuidados" é possível retomar uma vida o mais próxima do normal.
"Já temos a falta de segurança da população de sair às ruas, porém, ressaltamos que os bares e restaurantes que seguem à risca os protocolos são locais seguros e as pessoas podem frequentar tranquilamente."
O superintendente do Shopping Total e coordenador regional da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), Eduardo Oltramari elogia "a atitude do prefeito". "Este novo decreto é norteado pela transparência, lucidez e razoabilidade."
Oltramari destaca que para os shoppings "é muito interessante" conviver um gestor que busca uma relação inerente ao governo do Estado, "ao contrário da gestão anterior, que optava por confrontar as deliberações do distanciamento controlado."
Ao avaliar que a liberação de horário beneficia mais as atividades de alimentação dentro dos shoppings, o superintendente afirma a expectativa de que com a aplicação dos protocolos preventivos e dos cuidados por parte de clientes e colaboradores, seja possível "aperfeiçoar os critérios" de flexibilização no futuro. "As atividades de entretenimento, a exemplo de praças infantis, ainda estão bastante restritas, e os cinemas estão fechados", observa. As salas agora vão poder reabrir.
Comentários CORRIGIR TEXTO