Porto Alegre, quinta-feira, 07 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 07 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado de Capitais

- Publicada em 20h26min, 06/01/2021.

Fluxo cambial teve segundo pior ano da história em 2020

Último resultado positivo foi em 2017, com sobra de US$ 625 milhões

Último resultado positivo foi em 2017, com sobra de US$ 625 milhões


/FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
Folhapres
O Brasil fechou 2020 com saída líquida de quase US$ 28 bilhões pelo câmbio contratado, o segundo pior resultado da história e o terceiro ano consecutivo de perda de recursos, o que ajuda a explicar a forte desvalorização do real no ano passado.
O Brasil fechou 2020 com saída líquida de quase US$ 28 bilhões pelo câmbio contratado, o segundo pior resultado da história e o terceiro ano consecutivo de perda de recursos, o que ajuda a explicar a forte desvalorização do real no ano passado.
O fluxo cambial ficou negativo em US$ 27,923 bilhões, após rombo de US$ 44,768 bilhões em 2019, ano de maior debandada de recursos por esse canal. Ou seja, em apenas dois anos, o país viu saída líquida de US$ 72,691 bilhões. Em 2018, o fluxo cambial ficou deficitário em US$ 995 milhões. A última vez que o resultado se mostrou positivo foi em 2017, com modesta sobra de US$ 625 milhões.
O fraco número de 2020 foi puxado pelas operações financeiras - por onde passam fluxos de empréstimos, remessas de lucros e dividendos e investimentos em portfólio, entre outros -, com forte saída líquida de US$ 51,173 bilhões. Na conta comercial (câmbio contratado para exportação menos aquele para importação), houve superávit de US$ 23,250 bilhões.
Apenas em dezembro, um total de US$ 8,353 bilhões deixou o Brasil, segundo o câmbio contratado, com saídas tanto na conta comercial (US$ 3,932 bilhões) quando na financeira (US$ 4,422 bilhões).
Em 2020, o real caiu 22,7% ante o dólar, em termos nominais, um dos piores desempenhos entre as principais moedas.
Comentários CORRIGIR TEXTO