Porto Alegre, terça-feira, 05 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 05 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 11h51min, 05/01/2021.

Ibovespa segue em queda, mas retoma 117 mil pontos com alta em NY

Indicador da B3 cedia 1,26%, aos 117.361,51 pontos

Indicador da B3 cedia 1,26%, aos 117.361,51 pontos


SUAMY BEYDOUN /AGIF/FOLHAPRESS/JC
Uma série de fatores empurra o Ibovespa para o campo negativo nesta terça-feira (5), provocando perdas quase generalizadas na carteira (apenas Hypera e Weg subiam, às 11h35min). No entanto, a leve alta das bolsas em Nova Iorque ajudava o índice Ibovespa a retomar os 116 mil pontos. Às 11h36min, cedia 1,26%, aos 117.361,51 pontos, mais perto da mínima intraday, aos 116.756,08, que da máxima, aos 118.852,97 pontos.
Uma série de fatores empurra o Ibovespa para o campo negativo nesta terça-feira (5), provocando perdas quase generalizadas na carteira (apenas Hypera e Weg subiam, às 11h35min). No entanto, a leve alta das bolsas em Nova Iorque ajudava o índice Ibovespa a retomar os 116 mil pontos. Às 11h36min, cedia 1,26%, aos 117.361,51 pontos, mais perto da mínima intraday, aos 116.756,08, que da máxima, aos 118.852,97 pontos.
Para Alex Lima, gerente de portfólio da Lifetime Asset Management, o principal vetor é a preocupação do mercado com a adoção de medidas restritivas em algumas partes do mundo para conter o coronavírus. "Houve reação a isso do exterior e a Bolsa brasileira ficou um pouco atrasada. O mercado está acordando", explica. Ontem, quando o Ibovespa caiu 0,14%, em Nova Iorque as baixas ficaram perto de 1,5%, na maioria. "Se um país grande como a França fechar, outros também irão na mesma linha, diante desse temor com a nova variante de transmissão tida como mais alta do vírus. Começa-se a incorporar um cenário de restrição global", estima.
Temores relacionados ao quadro fiscal no Brasil e nos Estados Unidos também ajudam a empurrar o Ibovespa para baixo. Nos EUA, cita o economista-chefe do ModalMais, Álvaro Bandeira, segue a atenção do investidor na eleição na Geórgia, que definirá a composição do Senado americano. "Se tiver vitória da onda azul democratas, isso seria bom pois facilitaria a aprovação de pacotes de estímulos, mas seria uma preocupação a mais com o déficit fiscal. Tem de ver como dosariam isso", diz.
"Se isso acontecer, o rombo fiscal só aumentará, e o Fed já vem elevando o seu balanço estímulos. Tudo bem que os EUA têm uma moeda forte, mas até quando o país conseguiria se endividar nessa velocidade?", questiona Bruno Takeo, gestor da Ouro Preto Investimentos.
Já em relação ao Brasil, o economista afirma que o apoio da oposição ao candidato Baleia Rossi, na disputa pela presidência da Câmara, é uma medida que indica ser contra o presidente Jair Bolsonaro. "É uma oposição ao Bolsonaro, e pode dificultar mais a aprovação das pautas, de propostas", diz, completando ainda que, como a Bolsa brasileira subiu muito recentemente, o investidor que precisa vender, aproveita esse momento.
"Houve uma puxada forte em novembro e em dezembro. Deve ser algum ajuste", lembra um operador. "Mas também o dólar que está subindo bem, e influenciando os juros, e consequentemente, a Bolsa. O setor financeiro está puxando a queda", afirma o operador, ao citar a espera de investidores pela decisão da eleição na Geórgia para o Senado dos EUA.
Nem mesmo o anúncio, pelo governo inglês, de um pacote fiscal de 4,6 bilhões de libras esterlinas para atenuar o impacto econômico do novo lockdown no país alivia. "O pacote do Reino Unido não trouxe muito refresco, em meio a anúncios de mais lockdown em várias regiões do mundo. Por mais que as medidas possam durar cerca de um mês, terão impactos na economia", avalia Takeo.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO