Porto Alegre, terça-feira, 22 de dezembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 22 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 19h10min, 22/12/2020. Atualizada em 19h12min, 22/12/2020.

Ibovespa tem recuperação e sobe 0,70% em dia de negócios reduzidos

Com o resultado de hoje, o Ibovespa contabiliza alta de 7,11% em dezembro

Com o resultado de hoje, o Ibovespa contabiliza alta de 7,11% em dezembro


NELSON ALMEIDA/AFP/JC
Com noticiário menos intenso e negócios já reduzidos pela proximidade do final do ano, o Índice Bovespa manteve-se em alta leve a moderada na maior parte do tempo, sustentado principalmente pelas ações do setor financeiro e da Petrobras. O indicador terminou o dia aos 116.636,18 pontos, com ganho de 0,70%. Não foi o suficiente para recuperar as perdas de 1,86% da véspera, mas foi um porcentual considerado satisfatório entre profissionais de renda variável, se considerado o ambiente ainda de forte cautela entre os investidores. Com o resultado de hoje, o Ibovespa contabiliza alta de 7,11% em dezembro.
Com noticiário menos intenso e negócios já reduzidos pela proximidade do final do ano, o Índice Bovespa manteve-se em alta leve a moderada na maior parte do tempo, sustentado principalmente pelas ações do setor financeiro e da Petrobras. O indicador terminou o dia aos 116.636,18 pontos, com ganho de 0,70%. Não foi o suficiente para recuperar as perdas de 1,86% da véspera, mas foi um porcentual considerado satisfatório entre profissionais de renda variável, se considerado o ambiente ainda de forte cautela entre os investidores. Com o resultado de hoje, o Ibovespa contabiliza alta de 7,11% em dezembro.
No cenário internacional, uma vez minimizado o estresse de ontem com a descoberta de nova cepa do coronavírus, as atenções se voltaram a mensurar os potenciais efeitos do lockdown na economia do Reino Unido e Europa de maneira geral. Nos Estados Unidos, a aprovação do pacote econômico de US$ 900 bilhões foi bem recebida, mas não teve força para impulsionar as bolsas de Nova York, que sofreram com indicadores econômicos aquém do esperado.
No Brasil, o destaque ficou por conta do IPCA-15 de dezembro, que apontou alta de 1,06%, ante 0,81% em novembro. Apesar da aceleração, o porcentual de inflação ficou abaixo da mediana das estimativas do Projeções Broadcast, de 1,16%. O dado levou à queda das taxas de juros no mercado futuro e foi bem recebido na Bolsa, por confirmar o diagnóstico do Banco Central de que a pressão inflacionária é temporária.
Segundo Ariovaldo Ferreira, gerente de renda variável da Commcor, os últimos pregões do ano estão sendo marcados por uma postura mais pragmática do investidor, que procura boas oportunidades de ganho para os próximos meses, em meio às incertezas do cenário. E entre essas oportunidades estão papéis considerados atrasados. Não à toa que o setor financeiro liderou os ganhos hoje, afirma.
"Enquanto alguns papéis estão 'devendo' em 2020, como é o caso dos bancos, outros estão com 'sobra', como alguns papéis de varejo. A ideia de muitos investidores é fazer a troca entre papéis que andaram melhor e os que estão atrasados e têm potencial de recuperação", afirma o gerente.
Na análise dos papéis que compõem o Ibovespa, destaque para o setor financeiro, com as units do Santander (+2,35%) e Bradesco PN (+2,03%) à frente. Petrobras ON e PN encontraram espaço para recuperação e subiram 1,02% e 0,96%, apesar das novas quedas dos preços do petróleo, em meio à preocupação com a segunda onda da Covid-19. Entre as maiores altas do índice estiveram ainda ações de Suzano ON (+4,45%) e Klabin (+3,49%), acompanhando a alta dos insumos no exterior.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO