Porto Alegre, segunda-feira, 21 de dezembro de 2020.
Dia do Atleta. Início do Verão.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 21 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 19h12min, 21/12/2020.

Bolsas de NY fecham mistas com notícia de mutação do coronavírus e acordo nos EUA

O índice Dow Jones encerrou com ganho de 0,12%, 30.216,45 pontos

O índice Dow Jones encerrou com ganho de 0,12%, 30.216,45 pontos


MARCELLO CASAL JR/AGÊNCIA BRASIL/JC
As bolsas de Nova York fecharam mistas nesta segunda-feira (21) em que investidores ponderaram a notícia de que o Reino Unido identificou uma nova cepa do coronavírus mais transmissível com avanços no processo legislativo para a aprovação de um novo pacote fiscal nos Estados Unidos.
As bolsas de Nova York fecharam mistas nesta segunda-feira (21) em que investidores ponderaram a notícia de que o Reino Unido identificou uma nova cepa do coronavírus mais transmissível com avanços no processo legislativo para a aprovação de um novo pacote fiscal nos Estados Unidos.
O índice Dow Jones encerrou com ganho de 0,12%, 30.216,45 pontos. O S&P 500 perdeu 0,39%, a 3.694,92 pontos, e o Nasdaq cedeu 12.742,52. Em meio à volatilidade, o índice VIX, espécie de termômetro do medo em Wall Street, saltou 16,64%, a maior alta diária desde outubro.
A cautela generalizada se espalhou pelos mercados financeiros em todo o globo, depois que o governo britânico informou que a mutação do Sars-cov-2 descoberta no país pode ser até 70% mais transmissível que as anteriores. Em resposta, diversas nações, entre eles Itália, Bélgica e Holanda, decidiram suspender os voos vindos do Reino Unido.
À tarde, representantes da Organização Mundial da Saúde (OMS) esclareceram que é improvável que a nova variante do vírus inviabilize as vacinas, o que forneceu certo alívio aos negócios.
Para a Capital Economics, a mutação do vírus é um problema imediato para os mercados. "Mas, embora as ameaças de curto prazo tenham aumentado, continuamos com nossa visão de que os ativos de risco continuarão a ganhar mais terreno e que o dólar se depreciará no próximo ano", avalia a consultoria, em relatório.
Também no radar das mesas de operação, o texto da legislação que prevê nova rodada de estímulos fiscais nos EUA foi finalizado hoje, após acordo bipartidário firmado ontem. Segundo o Politico, a expectativa é de que o projeto seja votado na Câmara dos Representantes por volta das 22h (horário de Brasília). O pacote mobiliza cerca de US$ 900 bilhões para medidas como benefício adicional para desempregados de US$ 300 por semana e um pagamento de US$ 600 para a maioria dos americanos.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO