Porto Alegre, segunda-feira, 21 de dezembro de 2020.
Dia do Atleta. Início do Verão.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 21 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 18h10min, 21/12/2020. Atualizada em 18h18min, 21/12/2020.

Ouro devolve ganhos e fecha em leve queda, com investidores de olho na covid-19

O Bank of America projeta o ouro a US$ 2100 por onça-troy em 2021

O Bank of America projeta o ouro a US$ 2100 por onça-troy em 2021


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
Após ultrapassar a marca de US$ 1900 por onça-troy mais cedo, o ouro devolveu os ganhos e fechou em leve baixa nesta sessão. Investidores monitoraram notícias relacionadas ao avanço do coronavírus no mundo, enquanto aguardavam a aprovação do novo pacote fiscal no Congresso americano.
Após ultrapassar a marca de US$ 1900 por onça-troy mais cedo, o ouro devolveu os ganhos e fechou em leve baixa nesta sessão. Investidores monitoraram notícias relacionadas ao avanço do coronavírus no mundo, enquanto aguardavam a aprovação do novo pacote fiscal no Congresso americano.
O contrato para fevereiro do ouro negociado na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), fechou em queda de 0,32%, a US$ 1882,80 por onça-troy.
O movimento de queda, entretanto, deve ser apenas pontual, na avaliação de economistas, que veem mais potencial de alta para o metal. O Bank of America projeta o ouro a US$ 2100 por onça-troy em 2021. Segundo o Commerzbank, o metal vem sendo impulsionado pelo recente enfraquecimento do dólar - que torna o ouro mais barato para os investidores que operam outras moedas - o avanço das expectativas de inflação e a redução dos rendimentos reais na renda fixa.
Com mais uma rodada de estímulo fiscal nos EUA, crescem as especulações em torno da sustentabilidade da dívida americana, o que tende a impulsionar a busca por ouro. As incertezas em torno da recuperação econômica global, diante das restrições adotadas pelos países para combater a Covid-19, também alimentam a atratividade do metal precioso.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO