Porto Alegre, segunda-feira, 21 de dezembro de 2020.
Dia do Atleta. Início do Verão.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 21 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

serviços

- Publicada em 12h34min, 21/12/2020.

Bares e restaurantes gaúchos estão entre os mais cadastrados no Pix, diz Abrasel

Média de empreendimentos que aderiram ao sistema no RS é maior que a nacional

Média de empreendimentos que aderiram ao sistema no RS é maior que a nacional


MARCELLO CASAL JR /ABR/JC
Pelo menos 73% dos bares e restaurantes gaúchos já se cadastraram no Pix, ferramenta de transferência bancária lançada em novembro pelo governo federal. As informações são de pesquisa da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), divulgada nesta segunda-feira (21).
Pelo menos 73% dos bares e restaurantes gaúchos já se cadastraram no Pix, ferramenta de transferência bancária lançada em novembro pelo governo federal. As informações são de pesquisa da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), divulgada nesta segunda-feira (21).
Segundo a Abrasel, o índice de adesão no Rio Grande do Sul é maior que a média nacional, que registra 62% de estabelecimentos que trabalham com o sistema. Destes, 61% já receberam via Pix.
Contudo, mais da metade (53%) dos empreendimentos no Brasil afirmam que a procura ainda é pequena. Cerca de 71% ainda não incentivam o uso do Pix, enquanto apenas 12% colocaram sinalização para os clientes.
Entre as barreiras para aderir ao sistema, os empresários entrevistados afirmam que o Pix não está integrado ao sistema da loja (43%) e não há clareza nas taxas cobradas na transação (42%). Além disso, os proprietários temem a possibilidade de fraude (28%) ou erros na transferência (21%).
Segundo nota da Abrasel, a plataforma ainda precisa de melhorias para a implementação em bares e restaurantes. Para o presidente do Conselho Fiscal da entidade, João Alberto Cruz de Melo, a plataforma não é prática devido à quantidade de passos exigidos para a transação. "Com todas estas etapas, o processo prejudica o andamento da fila no balcão", relata, em nota.
Comentários CORRIGIR TEXTO