Porto Alegre, sexta-feira, 11 de dezembro de 2020.
Dia do Arquiteto. Dia do Engenheiro.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 11 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 16h31min, 11/12/2020. Atualizada em 16h32min, 11/12/2020.

Ouro fecha em alta, com busca por segurança diante de impasses políticos e Covid

O ouro para fevereiro terminou o dia em alta de 0,33%, a US$ 1.843,6 por onça-troy

O ouro para fevereiro terminou o dia em alta de 0,33%, a US$ 1.843,6 por onça-troy


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O ouro encerrou esta sexta-feira (11) em alta. Em meio à escalada de casos de Covid-19 em todo o planeta, investidores buscaram a segurança do metal precioso, de olho, principalmente, no travamento das negociações por um novo pacote fiscal nos Estados Unidos e a possibilidade de um "Brexit sem acordo".
O ouro encerrou esta sexta-feira (11) em alta. Em meio à escalada de casos de Covid-19 em todo o planeta, investidores buscaram a segurança do metal precioso, de olho, principalmente, no travamento das negociações por um novo pacote fiscal nos Estados Unidos e a possibilidade de um "Brexit sem acordo".
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para fevereiro terminou o dia em alta de 0,33%, a US$ 1.843,6 por onça-troy. Na semana, a variação positiva foi menor, de 0,10%, já que em muitos dias prevaleceu o apetite por risco diante do avanço no desenvolvimento de vacinas contra o novo coronavírus.
Encerrando mais uma semana sem respostas a duas questões altamente monitoradas pelo mercado - o novo pacote fiscal nos Estados Unidos e o acordo para vigorar após o período de transição do Brexit, a 20 dias de seu vencimento -, investidores fugiram do risco dos mercados acionários e recorreram à segurança do ouro, considerado um "porto seguro" no mundo dos negócios.
Ainda assim, a demanda foi contida pela força do dólar no exterior, que torna a commodity mais cara para detentores de outras divisas.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO