Porto Alegre, sexta-feira, 11 de dezembro de 2020.
Dia do Arquiteto. Dia do Engenheiro.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 11 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 15h05min, 11/12/2020.

Bolsas europeias fecham com perdas diante de Covid e perspectiva pós-Brexit

Índice pan-europeu Stoxx 600 fechou o dia em queda de 0,77%, a 390,12 pontos

Índice pan-europeu Stoxx 600 fechou o dia em queda de 0,77%, a 390,12 pontos


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
Esta sexta-feira (11) foi um dia de perdas para as bolsas da Europa, que fecharam no vermelho puxadas para baixo principalmente pela segunda onda de Covid-19 no continente e a perspectiva de que um acordo pós-Brexit entre Reino Unido e União Europeia seja mais improvável que possível.
Esta sexta-feira (11) foi um dia de perdas para as bolsas da Europa, que fecharam no vermelho puxadas para baixo principalmente pela segunda onda de Covid-19 no continente e a perspectiva de que um acordo pós-Brexit entre Reino Unido e União Europeia seja mais improvável que possível.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou o dia em queda de 0,77%, a 390,12 pontos. Na semana, o índice acumula perda de 0,99%.
Segundo a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, nesta sexta, as negociações com o Reino Unido para um acordo comercial "continuam distantes em questões fundamentais", como o uso das águas de pesca britânicas e a forma de estabelecer uma competição justa entre as empresas de ambos os lados.
De acordo com Von der Leyen, no domingo, líderes de ambos os lados irão decidir se há condições para um acordo.
Também contribuiu para o mal-estar o avanço da Covid-19 na Europa. O Reino Unido reduziu o período de auto isolamento de 14 para 10 dias e Portugal registrou novo recorde de óbitos diários com 95 mortes em 24 horas. Segundo levantamento da Universidade John Hopkins, o mundo deve ultrapassar 70 milhões de contaminações ainda nesta sexta-feira.
Outro fator que puxou as bolsas para baixo foi a incerteza a respeito do pacote de estímulo fiscal nos Estados Unidos.
Em Londres, o índice FTSE 100 fechou em queda de 0,80%, aos 6.546,75 pontos. Na semana, acumulou 0,05% de perdas. No pregão desta sexta, as ações da Rolls-Royce caíram 7,87%, da telefônica Vodafone, 2,06%, e dos bancos Lloyds e Barclays, 4,49% e 4,02%, respectivamente.
Na França, o índice CAC 40 caiu 0,76% no dia e 1,81% no acumulado da semana, aos 5.507,55 pontos. Nesta sexta, as ações da telefônica Orange (-3,98%) e dos bancos Société Générale (-2,45%) e Crédit Agricole (-0,63%) puxaram o índice para baixo.
O índice DAX, de Frankfurt, fechou com queda de 1,26%, aos 13.114,30 pontos, com perda de 1,39% na semana. Das 30 empresas que compõem o índice, apenas três encerraram o dia no azul: as imobiliárias Vonovia (+0,42%) e Deutsche Wohnen (+1,20%) e a empresa de entregas Delivery Hero (+1,11%). Desde segunda-feira, a baixa do índice é de 1,28%.
Na bolsa de Lisboa, o índice PSI 20 terminou o dia com baixa de 1,10%, aos 4.742,67 pontos. Dos principais índices, o português foi o único a terminar a semana no azul: alta de 0,85% desde segunda-feira.
Em Madri, o Ibex 35 teve queda diária de 1,46% e semanal de 3,12%, aos 8.063,10 pontos.
 
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO