Porto Alegre, domingo, 06 de dezembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 06 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

RELAÇÕES INTERNACIONAIS

- Publicada em 13h56min, 06/12/2020.

Congressistas de 35 países subscrevem a campanha global 'Faça a Amazon Pagar'

Comunidade protesta em frente à residência de Jeff Bezos, homem mais rico do mundo, em  2 de dezembro em NY

Comunidade protesta em frente à residência de Jeff Bezos, homem mais rico do mundo, em 2 de dezembro em NY


KENA BETANCUR/AFP/JC
A Amazon, gigante global de comércio digital e uma das empresas mais lucrativas do mundo durante a pandemia, estaria se esquivando ou sendo dispensada de suas responsabilidades para com trabalhadores, a sociedade e o meio ambiente. É esse o mote da campanha global "Faça a Amazon Pagar" (Make Amazon Pay, no original, em inglês), lançada na última Black Friday, espécie de Carnaval das compras, a partir da ideia de que é chegada a hora de a Amazon acertar essas contas.
A Amazon, gigante global de comércio digital e uma das empresas mais lucrativas do mundo durante a pandemia, estaria se esquivando ou sendo dispensada de suas responsabilidades para com trabalhadores, a sociedade e o meio ambiente. É esse o mote da campanha global "Faça a Amazon Pagar" (Make Amazon Pay, no original, em inglês), lançada na última Black Friday, espécie de Carnaval das compras, a partir da ideia de que é chegada a hora de a Amazon acertar essas contas.
Entre os signatários estão a finlandesa Heidi Hautala, vice-presidente do Parlamento Europeu, as congressistas dos EUA Rashida Tlaib e Ilhan Omar, somali-americana que é alvo de ataques do presidente Donald Trump, e o trabalhista britânico Jeremy Corbyn. Na semana passada, a causa foi subscrita por 401 parlamentares de 34 países, sendo 11 deles do Brasil, entre eles Marcelo Freixo, Luiza Erundina e Áurea Carolina, do PSOL, e Natália Bonavides e Nito Tatto, do PT.
A campanha foi apoiada por 50 organizações, como Greenpeace, Oxfam e Rede de Justiça Fiscal. Elas se reuniram a partir de uma convocação conjunta da UNI Global Union, uma entidade sindical global com sede na Suíça, e da Internacional Progressista, movimento criado por intelectuais como o linguista americano Noam Chomsky, a escritora e ativista canadense Naomi Klein e o economista grego Yanis Varoufakis para articular pautas de solidariedade, igualdade e sustentabilidade.
Em carta a Jeff Bezos, o presidente da Amazon e homem mais rico do mundo, os congressistas falam que "os dias de impunidade da Amazon estão contados". E pedem à empresa que reveja suas políticas e prioridades em relação aos trabalhadores, suas comunidades e o planeta, comprometendo-se publicamente a apoiar o movimento.
O documento descreve que, por conta da pandemia e da intensificação das compras online, o patrimônio pessoal de Bezos cresceu cerca de US$ 13 milhões (R$ 66 milhões) por hora em 2020, enquanto seus "empregados mantinham condições de trabalho perigosas, com pouco ou nenhum incremento salarial, e enfrentando retaliações por esforços de organização dos colegas e de defesa de interesses dos funcionários".
A carta afirma que as emissões de carbono da empresa são maiores que a de vários países do mundo, que as práticas monopolistas da gigante global prejudicam os negócios locais e que os serviços de internet da empresa usam dados dos usuários de maneira desrespeitosa.
Procurada pela reportagem, a Amazon declarou, em nota, que "as questões levantadas nesta carta resultam de uma série de afirmações enganosas de grupos mal informados". Segundo a empresa, a Amazon apoia funcionários, clientes e comunidades e promove "condições de trabalho seguras, salários competitivos e grandes benefícios", além de pagar bilhões de dólares de impostos globalmente.
Há duas semanas, Bezos anunciou a criação de um fundo para pesquisas sobre mudanças climáticas no valor de US$ 10 bilhões (mais de R$ 50 bilhões).
Há pelo menos dois anos a Black Friday é marcada por protestos e greves de trabalhadores da Amazon em várias partes do mundo. Eles informam o que avaliam como condições de trabalho extenuantes e mal-remuneradas, com expectativas irreais de produtividade.
Em 2018, jornalista britânico James Bloodworth lançou o livro Hired: Six Months Undercover in Low-Wage Britain (Atlantic Books), em que conta como foi trabalhar num depósito da Amazon em que os funcionários, segundo ele, são submetidos a regime disciplinar que remete ao sistema prisional e onde as faltas por doença são descontadas.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO