Porto Alegre, terça-feira, 01 de dezembro de 2020.
Dia Mundial de Luta contra a Aids.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 01 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Petróleo

- Publicada em 19h12min, 01/12/2020. Atualizada em 19h17min, 01/12/2020.

Petróleo fecha em baixa com indefinição de Opep+ e adiamento de reunião

O petróleo WTI para janeiro fechou em baixa de 1,74% (US$ 0,79), a US$ 44,55 o barril

O petróleo WTI para janeiro fechou em baixa de 1,74% (US$ 0,79), a US$ 44,55 o barril


ANDRÉ MOTTA DE SOUZA/AGÊNCIA PETROBRAS/DIVULGAÇÃO/JC
Os contratos futuros de petróleo fecharam em baixa hoje, diante das incertezas em torno do acordo de corte de produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+). A expectativa era de uma definição sobre a possível extensão nos cortes fosse anunciada hoje, mas a reunião foi adiada para quinta-feira (3). Supostos aumentos de oferta na Líbia também teriam pesado nos preços, deixando em segundo plano a expectativa de retomada da economia global com os avanços nas vacinas contra a Covid-19.
Os contratos futuros de petróleo fecharam em baixa hoje, diante das incertezas em torno do acordo de corte de produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+). A expectativa era de uma definição sobre a possível extensão nos cortes fosse anunciada hoje, mas a reunião foi adiada para quinta-feira (3). Supostos aumentos de oferta na Líbia também teriam pesado nos preços, deixando em segundo plano a expectativa de retomada da economia global com os avanços nas vacinas contra a Covid-19.
O petróleo WTI para janeiro fechou em baixa de 1,74% (US$ 0,79), a US$ 44,55 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex). Já o Brent para fevereiro encerrou as negociações com recuo de 0,96% (US$ 0,46) na Intercontinental Exchange (ICE), cotado a US$ 47,42 o barril.
O ING avalia que os cortes na produção da Opep+ são "qualquer coisa, menos certos" no momento, destacando os rumores de que o ministro saudita de Energia teria ameaçado deixar o cargo de presidente do comitê de monitoramento da Opep+. Os países não chegaram ao esperado acordo ontem, e a esperança agora é de que haja um acerto até quinta-feira.
A avaliação do banco ainda é a de que uma extensão no corte por três meses, amplamente noticiada, já está precificada pelo mercado, mas as dificuldades nas negociações aumentam o risco de membros do cartel discordarem da decisão. Um cenário de desacordo leva ao temor de que países não cumpram com as cotas prometidas.
O ING também aponta para o aumento da produção em dois países com fator para a baixa no preço da commodity. Na Líbia, a oferta já estaria próxima a do período anterior ao bloqueio sofrido pela nação. O outro são os Emirados Árabes Unidos, que registrou recentemente aumentou mensal no número de barris produzidos diariamente.
Por sua vez, no ano que vem a Fitch aponta para uma alta nos preços do petróleo, mesmo sendo improvável que a demanda se recupere totalmente em 2021. Em relatório enviado a clientes, a agência avalia que uma transição energética mais rápida do que o esperado pode causar turbulência no setor, mas isso é algo que não deve ocorrer de forma "substancial" no médio prazo.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO