Porto Alegre, terça-feira, 01 de dezembro de 2020.
Dia Mundial de Luta contra a Aids.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 01 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 17h45min, 01/12/2020. Atualizada em 17h48min, 01/12/2020.

Bolsas da Europa fecham em alta, com apetite por risco sustentado por vacina

O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o dia em alta de 0,65%, a 391,90 pontos

O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o dia em alta de 0,65%, a 391,90 pontos


ABR/DIVULGAÇÃO/JC
Os principais índices das bolsas da Europa reverteram as perdas de ontem e fecharam em alta nesta terça-feira (1º) em dia marcado por apetite por risco nos mercados internacionais por conta do noticiário envolvendo as vacinas contra a Covid-19. O otimismo de investidores prevaleceu, inclusive, ante à queda dos índices gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) da zona do euro e da Alemanha, que ainda revelam fragilidades na economia da região. O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o dia em alta de 0,65%, a 391,90 pontos.
Os principais índices das bolsas da Europa reverteram as perdas de ontem e fecharam em alta nesta terça-feira (1º) em dia marcado por apetite por risco nos mercados internacionais por conta do noticiário envolvendo as vacinas contra a Covid-19. O otimismo de investidores prevaleceu, inclusive, ante à queda dos índices gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) da zona do euro e da Alemanha, que ainda revelam fragilidades na economia da região. O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o dia em alta de 0,65%, a 391,90 pontos.
Duas notícias envolvendo o desenvolvimento de vacinas impulsionaram as bolsas europeias hoje. Logo no começo do dia, Pfizer e BioNTech informaram que submeteram o seu potencial imunizante contra a Covid-19 à União Europeia para a Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) aprovar o seu uso emergencial. O órgão confirmou o recebimento da solicitação e disse que a aprovação pode ocorrer já no dia 29 de dezembro.
O diretor de estudos de países do departamento de economia da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Alvaro Pereira, afirmou hoje que o PIB mundial em 2021 deve crescer entre 2% e 4%, a depender de como se sairá o processo de vacinação da população mundial. A OCDE divulgou hoje previsões atualizadas para a economia mundial e cortou a estimativa de contração da zona do euro de 7,9% para 7,5% em 2020.
Na França, o governo do presidente Emmanuel Macron começou a planejar uma campanha de vacinação em massa para ocorrer ainda no primeiro semestre de 2021. O CAC 40, principal índice da Bolsa de Paris, avançou 1,14% nesta terça, atrás apenas do FTSE 100 de Londres, que fechou em alta de 1,89%. Na Inglaterra, o setor bancário foi destaque positivo, com o Lloyds Banking fechando em alta de 7,45% e o Barclays avançando 1 ponto porcentual a menos. A Taylor Wimpey, do setor imobiliário, teve o melhor desempenho do FTSE 100 ao fechar com ganhos de 7,86%.
Com avanço mais modesto em relação às bolsas de Paris e Londres, o alemão DAX, de Frankfurt, fechou em alta de 0,69%. O setor automotivo sustentou a alta do índice, com Volkswagen (+4,26%) e Continental (4,07%) entre as maiores altas do dia, enquanto o setor imobiliário teve um desempenho geral ruim, com a Deutsche Wohnen (-2,31%) registrando o maior recuo nesta segunda-feira.
O Ibex 35 de Madri subiu 0,79%, sustentado especialmente por empresas dos setores aéreo e hoteleiro, muito prejudicados com pandemia, e por ações de bancos, como o Santander e o Sabadell, que cresceram 5,83% e 5,25%, respectivamente. Já o português PSI 20, de Lisboa, amargou a única queda dentre os principais índices acionários europeus, com recuo de 0,37%. Por fim, o FTSE MIB de Milão terminou as negociações com alta de 0,18%, com ganhos contidos após o anúncio da saída do CEO do Unicredit, Pierre Mustier. As ações do banco recuaram 8,02% no pregão de hoje.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO