Porto Alegre, quinta-feira, 19 de novembro de 2020.
Dia da Bandeira.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 19 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 16h38min, 19/11/2020.

Ouro fecha em baixa, pressionado por fortalecimento do dólar e temor por Covid

Ouro com entrega para dezembro encerrou em baixa de 0,66%, a US$ 1.861,50 a onça-troy

Ouro com entrega para dezembro encerrou em baixa de 0,66%, a US$ 1.861,50 a onça-troy


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O contrato futuro de ouro mais ativo fechou em queda nesta quinta-feira (19) pela terceira sessão consecutiva, pressionado pelo fortalecimento do dólar, que torna o metal precioso mais caro e, portanto, menos atraente.
O contrato futuro de ouro mais ativo fechou em queda nesta quinta-feira (19) pela terceira sessão consecutiva, pressionado pelo fortalecimento do dólar, que torna o metal precioso mais caro e, portanto, menos atraente.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro com entrega prevista para dezembro encerrou em baixa de 0,66%, a US$ 1.861,50 a onça-troy.
Apesar de notícias recentes positivas em relação ao desenvolvimento de uma vacina para o coronavírus, os mercados financeiros estão operando em modo de cautela nesta quinta-feira, em meio ao avanço da doença na Europa e nos Estados Unidos. Ontem, a maior potência econômica do globo ultrapassou a marca de 250 mil mortes em decorrência do vírus.
As preocupações estimulam a demanda pelo dólar, que se fortalece e, como consequência, impõe pressão sobre o ouro. Por volta das 16h07min, o índice DXY, que mede a variação da divisa americana ante uma cesta de seis rivais fortes, operava em alta de 0,08%, a 93,390 pontos.
"As perspectivas de curto prazo não são boas para o ouro e, mais uma vez, o suporte em torno de US$ 1.850 e US$ 1.860 está sob considerável pressão. Parece uma questão de tempo até que ceda", explica o analista Craig Erlam, da Oanda.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO