Porto Alegre, quarta-feira, 18 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 18 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Petróleo

- Publicada em 18h10min, 18/11/2020.

Petróleo fecha em alta com vacina e indicação de que Opep+

O petróleo WTI para janeiro fechou em alta de 0,86% (US$ 0,36), a US$ 42,01 o barri

O petróleo WTI para janeiro fechou em alta de 0,86% (US$ 0,36), a US$ 42,01 o barri


EUNICE ADORNO/AFP/JC
Os contratos futuros de petróleo encerraram esta quarta-feira (18) em alta por conta da indicação do ministro de Energia da Arábia Saudita, Abdulaziz bin Salman Al Saud, de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) deve estender os cortes de produção para além de janeiro de 2021. Também impulsionaram os negócios novas informações sobre a eficácia da vacina contra Covid-19 desenvolvida pelas empresas Pfizer e BioNTech.
Os contratos futuros de petróleo encerraram esta quarta-feira (18) em alta por conta da indicação do ministro de Energia da Arábia Saudita, Abdulaziz bin Salman Al Saud, de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) deve estender os cortes de produção para além de janeiro de 2021. Também impulsionaram os negócios novas informações sobre a eficácia da vacina contra Covid-19 desenvolvida pelas empresas Pfizer e BioNTech.
O petróleo WTI para janeiro fechou em alta de 0,86% (US$ 0,36), a US$ 42,01 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex). Já o Brent para igual mês encerrou as negociações com avanço de 1,35% (US$ 0,59) na Intercontinental Exchange (ICE), cotado a US$ 44,34 o barril.
Ao comentar a possibilidade de seguir com a produção reduzida em 2021, o ministro saudita afirmou que "a medida trouxe estabilidade ao mercado de petróleo", em reunião virtual com membros do Comitê de Monitoramento Ministerial Conjunto (JMMC, na sigla em inglês) da Opep+, de acordo com a Reuters. "Temos vontade e capacidade de continuar trazendo mais estabilidade", completou Al Saud.
A indicação do ministro ocorre após o mercado reagir negativamente a uma reunião da JMMC ontem, em que o Comitê não deu sinais claros se estenderia, ou não, os cortes. A faixa atual de cortes é de 7,7 milhões de barris por dia. Al Saud não mencionou por quanto tempo durará esta nova etapa, mas o cartel estuda uma nova extensão por mais 3 ou 6 meses.
Ainda influenciou positivamente a precificação da commodity a notícia de que a vacina da Pfizer com a BioNTech teve 95% de eficácia em testes finais.
Em contrapartida, os dados de estoque de petróleo divulgados nesta quarta pelo Departamento de Energia dos Estados Unidos (DoE, na sigla em inglês) pesaram negativamente sobre os contratos futuros do petróleo.
Os estoques do petróleo americano subiram 769 mil de barris, para 489,475 milhões de barris, na semana encerrada em 13 de novembro. O aumento, no entanto, foi menor que o esperado por analistas ouvidos pelo The Wall Street Journal, que previam alta de 1,2 milhão de barris no período.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO