Porto Alegre, terça-feira, 17 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 17 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Energia

- Publicada em 16h17min, 17/11/2020.

Linhas de Transmissão devem conectar regiões da Campanha e Centro no Rio Grande do Sul

Projetos formam um circuito duplo que irá abranger seis municípios

Projetos formam um circuito duplo que irá abranger seis municípios


Divulgação / Jordano Francisco Zagonel
As Linhas de Transmissão de Energia que irão conectar as regiões da Campanha e Central do Estado já contam com licença de instalação. No início desta semana, a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) emitiu o documento para os empreendimentos Neonergia e Sant'Ana, com extensão de aproximadamente 225 quilômetros e tensão de 230 kV cada. O investimento total nas obras  será de R$ 360 milhões.
As Linhas de Transmissão de Energia que irão conectar as regiões da Campanha e Central do Estado já contam com licença de instalação. No início desta semana, a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) emitiu o documento para os empreendimentos Neonergia e Sant'Ana, com extensão de aproximadamente 225 quilômetros e tensão de 230 kV cada. O investimento total nas obras  será de R$ 360 milhões.
Os dois projetos formam um circuito duplo que irá abranger os municípios de Santa Maria, Dilermando de Aguiar, São Gabriel, Cacequi, Santana do Livramento e Rosário do Sul. Segundo o engenheiro florestal da Fepam que coordenou as análises das licenças, Jordano Francisco Zagonel, nos últimos dias a equipe técnica trabalhou na verificação da documentação, "a fim de prover com amplo embasamento os pareceres para os licenciamentos." 
De acordo com diretor do Departamento de Energia da Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema), Eberson Silveira, as obras devem preencher "uma importante lacuna na transmissão" do Estado, permitindo o escoamento de projetos de geração de energia da fronteira Oeste até o Centro do Rio Grande do Sul. Desta forma, também irão viabilizar empreendimentos que estavam impossibilitados de serem conectados ao Sistema Interligado Nacional.
Comentários CORRIGIR TEXTO