Porto Alegre, terça-feira, 17 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 17 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 11h00min, 17/11/2020.

Ministério da Economia eleva projeção do IPCA em 2020 de 1,83% para 3,13%

Pasta também atualizou a projeção para o INPC

Pasta também atualizou a projeção para o INPC


MARCELLO CASAL JR/AGÊNCIA BRASIL/JC
Com alta nos preços de alimentos nos últimos meses, o Ministério da Economia revisou para cima sua projeção para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2020. De acordo com a nova grade de parâmetros macroeconômicos da pasta, a estimativa para a alta de preços neste ano passou de 1,83% para 3,13%.
Com alta nos preços de alimentos nos últimos meses, o Ministério da Economia revisou para cima sua projeção para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2020. De acordo com a nova grade de parâmetros macroeconômicos da pasta, a estimativa para a alta de preços neste ano passou de 1,83% para 3,13%.
Todas as projeções para a inflação em 2020 estão abaixo do piso da meta deste ano, de 4,00%, que tem uma margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual para baixo ou para cima (índice de 2,50% a 5,50%). No caso de 2021, a meta é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto (de 2,25% a 5,25%).
O Ministério da Economia também atualizou a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) - utilizado para a correção do salário mínimo. De acordo com a nova grade de parâmetros macroeconômicos da pasta, a estimativa para a alta do indicador neste ano passou de 2,45% para 4,10%. Para 2021, a projeção passou de 3,08% para 3,20%.
Já a estimativa da Economia para a alta do Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) em 2020 saltou de 13,02% para 20,98%. Para o próximo ano, a projeção passou de 4,18% para 4,38%.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO