Porto Alegre, sexta-feira, 13 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 13 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 18h55min, 13/11/2020.

B3 fecha em alta de 2,16%, com ganho de 3,76% na semana

O giro financeiro totalizou R$ 33,5 bilhões na sessão

O giro financeiro totalizou R$ 33,5 bilhões na sessão


NELSON ALMEIDA/AFP/JC
Após duas sessões de ajuste, uma combinação de fatores domésticos e externos contribuiu para que o Ibovespa encerrasse a semana em tom positivo, tendo tocado importante linha de resistência neste intervalo, aos 105,7 mil na máxima de terça-feira. O reconhecimento pela China da vitória de Joe Biden na eleição americana e sinais de que o atual presidente, Donald Trump, está a ponto de reconhecer a derrota mantiveram Wall Street em alta, acentuada à tarde. Os índices de NY também se animaram com a indicação do democrata de que manterá contato com o Congresso para levar adiante nova rodada de estímulos.
Após duas sessões de ajuste, uma combinação de fatores domésticos e externos contribuiu para que o Ibovespa encerrasse a semana em tom positivo, tendo tocado importante linha de resistência neste intervalo, aos 105,7 mil na máxima de terça-feira. O reconhecimento pela China da vitória de Joe Biden na eleição americana e sinais de que o atual presidente, Donald Trump, está a ponto de reconhecer a derrota mantiveram Wall Street em alta, acentuada à tarde. Os índices de NY também se animaram com a indicação do democrata de que manterá contato com o Congresso para levar adiante nova rodada de estímulos.
Além disso, o sentimento favorável se ancorou em reiteração do compromisso do ministro da Economia, Paulo Guedes, com o teto de gastos, após comentários dele no dia anterior, sobre a possibilidade de prorrogação do auxílio emergencial na eventualidade de segunda onda de Covid-19 no País, terem sido mal recebidos pelo mercado. Por sua vez, o bom desempenho do IBC-Br em setembro, na margem, contribui para melhorar a perspectiva para o PIB.
Em alta de 2,16% no fechamento desta sexta-feira, aos 104.723,00 pontos, o Ibovespa acumulou ganho de 3,76% na semana, estendendo o do mês a 11,46% e limitando as perdas do ano a 9,44%. O giro financeiro totalizou R$ 33,5 bilhões na sessão, com o Ibovespa saindo de mínima na abertura a 102.508,77 e chegando na máxima aos 104.725,79 pontos. O ganho desta semana sucedeu avanço de 7,42% na anterior, quando o Ibovespa vinha de perda de 7,22% na antecedente.
"O mercado ainda está anestesiado pelo efeito Biden e, na B3, o desempenho positivo das ações de bancos, pelo peso que possuem no índice, assegurou dinamismo ao Ibovespa. O viés é positivo, mas sujeito a correções, na medida em que a questão fiscal ainda pode atrapalhar. Guedes precisará saber jogar com o Congresso. Afora isso, os juros estão baixos ou mesmo negativos, no mundo todo, o que reforça o apelo da exposição a risco", diz Marcio Gomes, analista da Necton Investimentos.
Nesta sexta-feira, os ganhos nas ações de bancos chegaram a 3,55% no fechamento (Bradesco PN), ficando na semana entre 8,40% (BB ON) e 15,47% (Bradesco PN). As ações de commodities também tiveram desempenho positivo na sessão, com destaque para Petrobras PN, em alta de 3,29% - na semana, a ação avançou 14,58%, enquanto a ON teve ganho de 16,66% no intervalo. Na ponta do Ibovespa nesta sexta-feira, Yduqs fechou em alta de 9,76%, à frente de IRB (+7,70%) e Intermédica (+7,46%). No lado oposto, Multiplan caiu 2,35%, Magazine Luiza, 1,49%, e CSN, 1,18%.
No exterior, o reconhecimento pela China da vitória de Biden é fator de otimismo, em particular pelo tom amigável observado na imprensa oficial. A saída de cena de Donald Trump em 20 de janeiro parece ter começado a ser construída nesta sexta-feira com a retirada, pelos advogados da campanha republicana, de ação judicial que questionava a votação no Arizona, concluída conforme se projetava com vitória de Biden. Próximo a Trump, o jornalista Geraldo Rivera, apresentador da Fox, disse hoje que o presidente é um "realista" e "fará a coisa certa" em relação ao resultado da eleição.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO