Porto Alegre, sexta-feira, 13 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 13 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 18h35min, 13/11/2020.

Bolsas de NY fecham em alta com Biden e S&P 500 renova recorde

No fechamento, o Dow Jones subiu 1,37%, a 29.479,81 pontos

No fechamento, o Dow Jones subiu 1,37%, a 29.479,81 pontos


FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta sexta-feira (13) e o índice acionário S&P 500 registrou recorde histórico de fechamento. O pregão foi de apetite por risco nos mercados internacionais, com a percepção de investidores de que a consolidação da vitória de Joe Biden nas eleições americanas reduz o espaço para que as contestações judiciais de Donald Trump tenham algum efeito.
As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta sexta-feira (13) e o índice acionário S&P 500 registrou recorde histórico de fechamento. O pregão foi de apetite por risco nos mercados internacionais, com a percepção de investidores de que a consolidação da vitória de Joe Biden nas eleições americanas reduz o espaço para que as contestações judiciais de Donald Trump tenham algum efeito.
No fechamento, o Dow Jones subiu 1,37%, a 29.479,81 pontos; o S&P 500 avançou 1,36%, a 3.585,15 pontos, recorde histórico de fechamento; e o Nasdaq registrou ganho de 1,02%, a 11.829,29 pontos. Na comparação semanal, os dois primeiros acumularam alta de 4,08% e 2,16% respectivamente. Já o Nasdaq caiu 0,55% na semana, já que as ações de tecnologia foram as que mais recuaram após as notícias promissoras sobre vacinas no início da semana.
"Os riscos políticos representados pela recusa de Donald Trump em reconhecer a vitória eleitoral de Joseph Biden estão começando a se dissipar à medida que mais e mais legisladores republicanos começam a se distanciar do atual presidente", comenta o analista Boris Schlossberg, da BK Asset Management. "Essa ameaça parece ter desaparecido e os mercados podem estar vendo uma pequena recuperação de alívio como resultado", acrescenta.
A imprensa americana projetou hoje a vitória de Biden na Geórgia, um estado que ainda fará recontagem dos votos, o que, porém, não tende a alterar o resultado, de acordo com especialistas. O democrata também venceu no Arizona, enquanto Trump triunfou na Carolina do Norte. Com essas atualizações, Biden deve obter 306 delegados no Colégio Eleitoral e Trump, 232.
No Arizona, a equipe de Trump desistiu de um processo que questionava a votação. Já o apresentador da Fox News Geraldo Rivera, que é próximo ao republicano, disse que Trump é um "realista" e "fará a coisa certa".
Um recado veio também de Pequim: a China parabenizou Biden pela vitória. De acordo com o editor-chefe do jornal Global Times, Hu Xijin, a intenção do país asiático é demonstrar simpatia por Biden e pela vice-presidente eleita, Kamala Harris, ao mesmo tempo em que reage "aos recentes ataques violentos" vindos do secretário de Estado americano, Mike Pompeo.
No S&P 500, o subíndice de energia liderou os ganhos (+3,81%), seguido pelo do setor imobiliário (+2,28%). O setor de tecnologia, que foi o mais pressionado pelas notícias promissoras sobre vacinas, já que as gigantes de tecnologia se beneficiaram do isolamento social na pandemia, subiu 0,86% hoje.
As ações da Chevron avançaram 2,93%, as da Amazon subiram 0,60% e as do Facebook registraram alta de 0,68%. Os papéis da Walt Disney, que divulgou balanço após o fechamento do mercado ontem, ganharam 2,10%.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO