Porto Alegre, quinta-feira, 12 de novembro de 2020.
Dia do Supermercado. Dia Internacional da Qualidade.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 12 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 16h07min, 12/11/2020.

Ouro fecha em alta, com foco em nova onda da Covid-19

Ouro para dezembro fechou em alta de 0,63%, em US$ 1.873,30 a onça-troy

Ouro para dezembro fechou em alta de 0,63%, em US$ 1.873,30 a onça-troy


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O contrato futuro de ouro fechou em alta nesta quinta (12) ganhando fôlego ao longo do pregão. A nova onda da covid-19 e seus impactos nos Estados Unidos e na Europa apoiou a busca pela segurança do metal.
O contrato futuro de ouro fechou em alta nesta quinta (12) ganhando fôlego ao longo do pregão. A nova onda da covid-19 e seus impactos nos Estados Unidos e na Europa apoiou a busca pela segurança do metal.
O ouro para dezembro fechou em alta de 0,63%, em US$ 1.873,30 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
O avanço da covid-19 já provoca restrições à atividade na Europa e agora há o temor de que o mesmo possa ocorrer nos EUA, em meio ao avanço dos casos da doença no país. Presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell alertou para os riscos de baixa com a nova onda, e defendeu mais apoio fiscal ao país. A presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, criticou os republicanos por não avançarem nos estímulos e também por, segundo ela, não agirem de modo decidido diante da crise de saúde.
Além da busca por segurança, o Commerzbank comenta em relatório que o ouro pode receber algum apoio diante de dois importantes festivais hindus celebrados na Índia nesta semana, nos quais o ouro é um presente tradicional. A demanda nesses eventos, porém, era contida neste ano por causa da pandemia, segundo o banco.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO