Porto Alegre, quarta-feira, 11 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 11 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 15h53min, 11/11/2020.

Ouro fecha em baixa, pressionado por dólar forte

Ouro para dezembro fechou em baixa de 0,79%, em US$ 1.861,60 a onça-troy

Ouro para dezembro fechou em baixa de 0,79%, em US$ 1.861,60 a onça-troy


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O ouro fechou em queda nesta quarta-feira (11) pressionado pelo dólar forte. Além disso, o quadro em geral continuava a ser de maior propensão ao risco e menor busca por segurança nos mercados, com a possibilidade de uma vacina para a covid-19 estar disponível em breve no radar.
O ouro fechou em queda nesta quarta-feira (11) pressionado pelo dólar forte. Além disso, o quadro em geral continuava a ser de maior propensão ao risco e menor busca por segurança nos mercados, com a possibilidade de uma vacina para a covid-19 estar disponível em breve no radar.
O ouro para dezembro fechou em baixa de 0,79%, em US$ 1.861,60 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
Mesmo que analistas continuem a advertir para riscos na busca pela vacina contra o novo coronavírus, a notícia do início da semana da Pfizer sobre o sucesso de sua candidata em testes de fase 3, segundo resultados preliminares, continuava a influenciar nos mercados, reduzindo a busca por segurança. Nos EUA, além disso, o dia foi atípico, com feriado do Dia dos Veteranos e mercado de Treasuries fechado.
No câmbio, o dólar se fortaleceu ante outras moedas principais, o que torna o ouro mais caro para os detentores de outras moedas e tende a reduzir a demanda pelo metal.
O Commerzbank comenta que a força do dólar e altas nos retornos dos Treasuries em dias recentes tendem a pressionar o ouro, já que este compete com os bônus como opção segura. O banco alemão, porém, lembra em relatório que ainda levará um tempo até a vacina para a covid-19 ser de fato disseminada e que o número de novos casos continua a crescer. Com chance de mais restrições à atividade, o Commerzbank projeta que o ouro pode chegar a US$ 1.900 a onça-troy "em breve" e a US$ 2.000 a onça-troy até o fim deste ano.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO