Porto Alegre, terça-feira, 10 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 10 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 10h10min, 10/11/2020. Atualizada em 10h25min, 10/11/2020.

Produção industrial cresce em 12 dos 15 locais pesquisados em setembro, diz IBGE

Espírito Santo, Mato Grosso e Bahia foram os Estados com queda

Espírito Santo, Mato Grosso e Bahia foram os Estados com queda


EVANDRO LEAL/AGÊNCIA FREELANCER/FOLHAPRESS/JC
Em setembro, a indústria teve ganhos em 12 dos 15 locais pesquisados em relação a setembro de 2019, segundo a Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional, divulgada nesta terça-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em São Paulo, maior parque fabril do País, o avanço foi de 4,9%, acima da média nacional. A produção industrial avançou 3,4% em setembro ante setembro do ano passado, como informou o IBGE na semana passada.
Em setembro, a indústria teve ganhos em 12 dos 15 locais pesquisados em relação a setembro de 2019, segundo a Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional, divulgada nesta terça-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em São Paulo, maior parque fabril do País, o avanço foi de 4,9%, acima da média nacional. A produção industrial avançou 3,4% em setembro ante setembro do ano passado, como informou o IBGE na semana passada.
Amazonas (14,2%), Ceará (8,5%) e Pará (8,1%) tiveram os avanços mais intensos em setembro, segundo o IBGE. Santa Catarina (7,6%), Pernambuco (7,5%), Rio Grande do Sul (5,8%), Goiás (5,3%), além de São Paulo, também tiveram taxas mais elevadas do que a média nacional (3,4%). Minas Gerais (3,3%), Paraná (3,2%), Região Nordeste (3,2%) e Rio de Janeiro (0,8%) completaram o conjunto de locais com crescimento na produção nessa comparação.
Na contramão, Espírito Santo (-11,0%) e Mato Grosso (-6,2%) tiveram os recuos mais intensos. Bahia, com redução de 1,9%, também apontou resultado negativo, segundo o IBGE.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO