Porto Alegre, segunda-feira, 09 de novembro de 2020.
Dia do Hoteleiro.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 09 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 10h05min, 09/11/2020. Atualizada em 12h55min, 09/11/2020.

Dólar cai com rali por vitória de Biden e mercado fica atento ao Banco Central

Dólar à vista caía 2,36%, a R$ 5,26

Dólar à vista caía 2,36%, a R$ 5,26


FREEPIK/REPRODUÇÃO/JC
O dólar segue em forte baixa, alinhado à tendência no exterior em relação a moedas emergentes e ligadas a commodities. Às 9h31min desta segunda-feira (9), o dólar à vista caía 2,36%, a R$ 5,2662. O dólar futuro para dezembro recuava 1,87%, a R$ 5,2700. 
O dólar segue em forte baixa, alinhado à tendência no exterior em relação a moedas emergentes e ligadas a commodities. Às 9h31min desta segunda-feira (9), o dólar à vista caía 2,36%, a R$ 5,2662. O dólar futuro para dezembro recuava 1,87%, a R$ 5,2700. 
O mercado cambial reage ao rali nas bolsas internacionais, após a confirmação da vitória de Joe Biden na eleição presidencial dos EUA e com expectativas de que o democrata deve negociar com o Congresso novos estímulos fiscais à economia americana - uma vez que entre as prioridades do presidente eleito estariam o combate à pandemia de Covid-19 no país e a recuperação da economia. Também é positiva a possibilidade de o Congresso brasileiro retomar as discussões sobre a agenda de reformas já nesta semana, conforme prometido pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia.
Os operadores podem estar precificando também expectativas de intervenções do BC, após o diretor de Política Econômica da autarquia, Fabio Kanczuk, dizer em evento virtual do Itaú que o Banco Central deve atuar no fim do ano no mercado de câmbio em função de grande fluxo esperado no País por operações relacionadas ao chamado "overhedge" (proteção excessiva no mercado) dos bancos.
O BC divulgou nota na sexta-feira à noite para esclarecer que "mantém permanente monitoramento dos mercados financeiros visando a manutenção de seus normais funcionamentos" e que "decisões de atuação da autoridade monetária diante de disfuncionalidades de mercado são tomadas de forma fundamentada, obedecendo a rígido processo de governança interna e pautadas pela comunicação transparente através dos canais oficiais".
Os agentes de câmbio devem focar no presidente do BC, Roberto Campos Neto, que participa de evento da The Economist, a partir das 12h25min, e será acompanhado de perto, após o dólar furar o importante suporte de R$ 5,50, na sexta, caindo a R$ 5,3937 no mercado à vista - menor nível desde 18 de setembro ante o real -, e a R$ 5,37 no contrato futuro de dezembro. Na semana passada, a moeda à vista cedeu 6%, reduzindo o avanço acumulado no ano para pouco menos de 35%.
Já o IPC-S desacelerou para 0,59% na primeira quadrissemana de novembro, de 0,65% no arrefeceu na comparação com a leitura anterior, do fechamento de outubro, quando o índice subiu 0,65%.
O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) subiu 2,9 pontos na passagem de setembro para outubro, para 84,9 pontos. O resultado representa o sexto avanço consecutivo, mas o ganho ainda é insuficiente para recuperar as perdas acumuladas entre fevereiro e abril, por causa da pandemia de Covid-19. Em médias móveis trimestrais, o IAEmp avançou 6,3 pontos, para 80,6 pontos.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO