Porto Alegre, sexta-feira, 06 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 06 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 17h42min, 06/11/2020. Atualizada em 17h43min, 06/11/2020.

Petróleo fecha em forte baixa, com apuração nos EUA e riscos à demanda no radar

O petróleo WTI para dezembro fechou em baixa de 4,25%, em US$ 37,14 o barril

O petróleo WTI para dezembro fechou em baixa de 4,25%, em US$ 37,14 o barril


Divulgação/BPImages
Os contratos futuros de petróleo registraram quedas consideráveis nesta sexta (6) com investidores atentos à apuração nos Estados Unidos, mas também novamente cautelosos diante de riscos à demanda pela commodity.
Os contratos futuros de petróleo registraram quedas consideráveis nesta sexta (6) com investidores atentos à apuração nos Estados Unidos, mas também novamente cautelosos diante de riscos à demanda pela commodity.
O petróleo WTI para dezembro fechou em baixa de 4,25%, em US$ 37,14 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), mas com alta de 3,77% na comparação semanal. O Brent para janeiro caiu hoje 3,62%, a US$ 39,45 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).
O Julius Baer comenta em relatório que a prolongada apuração americana tem chamado a atenção de todos os mercados, inclusive no petróleo, mas considera que o resultado não deve alterar tendências estabelecidas para a commodity. O banco vê um quadro de oferta mais contida, enquanto a demanda mostra sinais de recuperação, mas também alerta sobre riscos importantes, como novas ondas da Covid-19.
O TD Securities, por sua vez, afirma em levantamento que, após as levas do vírus e das restrições em vários países da Europa, a doença volta agora a mostrar força nos EUA. O banco de investimentos destaca que a situação por enquanto é pior no Meio-Oeste, com aumento nos casos e nas taxas de hospitalização. Os EUA têm registrado recordes de novos casos diários da doença e analistas ponderam se isso pode se traduzir em quadros mais delicados na crise de saúde e em consequentes paralisações parciais da atividade, penalizando a demanda pelo petróleo.
No dia de hoje, os contratos da commodity chegaram a reduzir perdas, após o relatório mensal de empregos de outubro dos EUA mostrar números melhores do que o esperado pelos analistas. O quadro negativo, contudo, continuou a prevalecer.
Ainda no noticiário, a Baker Hughes informou que o número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos EUA avançou 5 na última semana, a 226.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO