Porto Alegre, sexta-feira, 06 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 06 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Conjuntura

- Publicada em 10h05min, 06/11/2020. Atualizada em 10h22min, 06/11/2020.

Inflação oficial acelera para 0,86% em outubro, maior alta para o mês em 18 anos

Aumento nos preços do arroz (13,36%) e do óleo de soja (17,44%) puxou a alta no indicador

Aumento nos preços do arroz (13,36%) e do óleo de soja (17,44%) puxou a alta no indicador


Bruna Oliveira/Especial/JC
A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,86% em outubro deste ano, a maior alta para o mês desde 2002, informou nesta sexta-feira (6) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado é superior ao crescimento do mês imediatamente anterior, setembro, que teve resultado de 0,64%.
A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,86% em outubro deste ano, a maior alta para o mês desde 2002, informou nesta sexta-feira (6) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado é superior ao crescimento do mês imediatamente anterior, setembro, que teve resultado de 0,64%.
O resultado ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro, que iam de 0,70% a 0,97%, mas acima da mediana, de 0,84%, conforme pesquisa do Projeções Broadcast, do sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. 
A taxa acumulada pela inflação no ano ficou em 2,22%. Em 12 meses, o resultado foi de 3,92%, dentro das projeções dos analistas, que iam de 3,72% a 4,03%, e também acima da mediana, que era de 3,89%.
Para o mês, os grandes destaques foram o arroz, com aumento de 13,36% nos preços, e o óleo de soja, com crescimento de 17,44%. O setor de transportes também acabou crescendo, mas em menor medida, 1,19%, com impacto de 0,24 ponto porcentual no resultado.
Artigos de residência aumentaram 1,53% nos preços, com impacto de 0,06 p.p.. Um outro setor que cresceu foi o de seguro voluntário de veículo, 2,21%. Este em particular registra um cenário diferente, já que vinha de sete meses de quedas.
Comentários CORRIGIR TEXTO