Porto Alegre, quarta-feira, 04 de novembro de 2020.
Dia do Inventor.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 04 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Petróleo

- Publicada em 18h03min, 04/11/2020.

Petróleo fecha em forte alta com queda nos estoques dos EUA, eleição e câmbio

O barril do WTI com entrega prevista para dezembro registrou alta de 3,96%, a US$ 39,15

O barril do WTI com entrega prevista para dezembro registrou alta de 3,96%, a US$ 39,15


SAUDI ARAMCO/DIVULGAÇÃO/JC
Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta considerável nesta quarta-feira (4) apoiados pela divulgação de uma queda nos estoques dos Estados Unidos no dado semanal. Além disso, o dólar fraco, reflexo do cenário eleitoral nos EUA, beneficiou o preço das commodities, em quadro também de maior apetite por risco em geral.
Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta considerável nesta quarta-feira (4) apoiados pela divulgação de uma queda nos estoques dos Estados Unidos no dado semanal. Além disso, o dólar fraco, reflexo do cenário eleitoral nos EUA, beneficiou o preço das commodities, em quadro também de maior apetite por risco em geral.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do WTI com entrega prevista para dezembro registrou alta de 3,96%, a US$ 39,15. Na Intercontinental Exchange (ICE), o contrato do Brent para janeiro avançou 3,83%, a US$ 41,23 o barril.
Os contratos já subiam, em quadro de maior apetite por risco nos mercados internacionais, mas a alta se acentuou após o Departamento de Energia (DoE) dos EUA informar que os estoques da commodity no país recuaram quase 8 milhões na semana passada. Analistas consultados pelo The Wall Street Journal previam alta de 1,1 milhão de barris. Na terça, o API havia informado que os estoques de petróleo nos EUA caíram "inesperadamente" 8 milhões de barris na semana passada, apesar do aumento das importações, aponta em relatório o Commerzbank.
O Commerzbank destaca também sinais de que o acordo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+), liderado por Rússia e Arábia Saudita, pode agora incluir cortes maiores na produção, a fim de "estabilizar" o mercado. Se a Opep+ se comprometer com isso, "certamente" dará apoio ao preço do petróleo, diz o banco.
O banco alemão argumenta ainda que, durante a apuração eleitoral nos EUA, o petróleo chegou a subir diante de uma possibilidade maior de vitória de Donald Trump, visto como candidato preferido pelo setor. No entanto, ao longo do dia, a alta continuou mesmo com a melhora nas chances de Joe Biden, com o mercado no geral buscando riscos, e a queda do dólar, o que favorece as commodities.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO