Porto Alegre, sábado, 31 de outubro de 2020.
Dia das Bruxas.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 31 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Coronavírus

- Publicada em 15h28min, 31/10/2020.

Só com juros, custo anticovid-19 será de R$ 261 bi

Empréstimos para bancar o auxílio emergencial vão representar R$ 143,3 bi em juros em dez anos

Empréstimos para bancar o auxílio emergencial vão representar R$ 143,3 bi em juros em dez anos


MARCELO CAMARGO/ABR/JC
Os gastos extraordinários para combater a Covid-19 vão gerar uma fatura extra de R$ 261,6 bilhões em juros da dívida pública nos próximos 10 anos, calcula o Tesouro Nacional.
Os gastos extraordinários para combater a Covid-19 vão gerar uma fatura extra de R$ 261,6 bilhões em juros da dívida pública nos próximos 10 anos, calcula o Tesouro Nacional.
Desde 2014, o Brasil acumula sucessivos rombos nas contas públicas, gastando mais que o valor arrecadado. Quando chegou a pandemia, o governo precisou flexibilizar regras fiscais para poder elevar de forma significativamente seu endividamento e conseguir bancar as medidas necessárias para conter os efeitos da crise.
O rombo este ano deve chegar a R$ 880,5 bilhões, considerando as contas do Tesouro, do INSS e do Banco Central. Desse valor, R$ 587,4 bilhões são decorrentes de gastos para combater a Covid-19.
O coordenador-geral de Planejamento Estratégico da Dívida Pública, Luiz Fernando Alves, explicou que, embora as despesas sejam temporárias, os títulos da dívida emitidos para que o Brasil tivesse os recursos em caixa necessários a esses pagamentos serão carregados por um bom tempo. E esses títulos pressupõem uma taxa de juros a ser paga a quem se dispôs a emprestar ao governo.
Na prática, isso significa que as medidas contra a crise custarão bem mais do que os valores já conhecidos até hoje. O auxílio emergencial pago a trabalhadores informais, microempreendedores e desempregados, por exemplo, deve resultar numa transferência de renda de R$ 322 bilhões. Mas o custo ao governo será bem maior porque haverá uma fatura extra de R$ 143,3 bilhões em juros nos próximos dez anos, devido aos empréstimos tomados para viabilizar a política. As cifras estão calculadas em valores de 2020.
O auxílio financeiro a Estados e municípios, que totalizou R$ 120 bilhões entre repasses e suspensões de dívidas, deve gerar uma conta adicional de R$ 26,8 bilhões em juros na próxima década.
Já o benefício emergencial pago a trabalhadores que tiveram suspensão de contrato ou jornada e salários reduzidos, orçado em R$ 51,6 bilhões, deve custar outros R$ 23,0 bilhões em juros no mesmo período.
Outras medidas adotadas pelo governo, como incentivo a crédito e destinação de recursos à saúde, geram uma fatura extra de R$ 68,5 bilhões em dez anos.
Os dados foram divulgados pelo Tesouro Nacional em meio à pressão de setores do governo e do Congresso para que as medidas de combate à crise sejam estendidas para 2021. A equipe econômica tem defendido a importância de manter os gastos extraordinários restritos a este ano e agir apenas em caso de necessidade - por exemplo, em uma eventual segunda onda da covid-19 no País.
Comentários CORRIGIR TEXTO