Porto Alegre, sexta-feira, 30 de outubro de 2020.
Dia do Comerciário. Dia do Balconista.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 30 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 17h53min, 30/10/2020.

Bolsas de NY fecham em queda e terminam outubro no vermelho

O índice Dow Jones encerrou em baixa de 0,59%, a 26.501,60 pontos

O índice Dow Jones encerrou em baixa de 0,59%, a 26.501,60 pontos


MARCELlO CASAL JR/ABR/JC
As bolsas de Nova York fecharam em queda nesta sexta-feira, pressionadas pela liquidação de ações de grandes empresas de tecnologia, que divulgaram balanços corporativos decepcionantes. O avanço galopante do coronavírus pelo mundo e as incertezas derivadas da reta final da campanha eleitoral dos Estados Unidos também ajudaram a compor o cenário de aversão ao risco.
As bolsas de Nova York fecharam em queda nesta sexta-feira, pressionadas pela liquidação de ações de grandes empresas de tecnologia, que divulgaram balanços corporativos decepcionantes. O avanço galopante do coronavírus pelo mundo e as incertezas derivadas da reta final da campanha eleitoral dos Estados Unidos também ajudaram a compor o cenário de aversão ao risco.
O índice Dow Jones encerrou em baixa de 0,59%, a 26.501,60 pontos, com perda semanal de 6,47%. O S&P 500 cedeu 1,21%, a 3.269,96 pontos, em nível 5,64% menor que na última semana feira. Já o Nasdaq recuou 2,45%, a 10.911,59 pontos, caindo 5,51% na semana.
Na comparação mensal, os índices acionários registraram perdas de 4,60%, 2,76% e 2,29%, respectivamente. O índice VIX, espécie de termômetro em Wall Street, subiu 1,60%, a 38,21 pontos. No caso do Dow Jones, foi a maior queda mensal desde março.
As ações de Apple (-5,60%), Facebook (-6,31%) e Amazon (-5,45%) apareceram como destaques negativos. Embora tenham divulgado resultados acima do esperado no terceiro trimestre, as techs sinalizaram um ambiente de dificuldades para os três últimos meses do ano, o que desagradou investidores. O papel do Twitter despencou 21,11%, após a rede social revelar que o número de novos usuários desacelerou entre julho e setembro.
"Métricas de lucro e o 'forward guidance' serão importantes para o ímpeto do mercado e, enquanto o primeiro mostrou grandes surpresas para o positivo, o último trouxe muito mais cautela, enquanto as empresas seguem preocupadas com o impacto de longo prazo da Covid-19 na demanda", analisa a BK Asset Management.
O mau humor com as techs se juntou a preocupações a respeito da segunda onda de casos de Covid-19 pelo mundo. Segundo a Universidade Johns Hopkins, os EUA tiveram 88,5 mil casos de coronavírus na quinta-feira, o maior número diário desde o surgimento da doença.
Com isso, o número de diagnósticos no país se aproxima da marca de 9 milhões. Nesse contexto, a prefeitura de São Francisco, na california, decidiu paralisar o processo de relaxamento das restrições à circulação de pessoas que começaria na próxima terça-feira.
Investidores tomaram posições também à espera da eleição americana, que acontece na próxima terça-feira. Embora o candidato do Partido Democrata, Joe Biden, apareça com larga vantagem nas pesquisas eleitorais, há o temor de que o resultado fique indefinido por conta das disputas judiciais a respeito da contagem dos votos por correio.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO