Porto Alegre, terça-feira, 27 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 27 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

petróleo

- Publicada em 16h06min, 27/10/2020.

Petróleo fecha em alta com dólar fraco e avanço do furacão Zeta rumo ao México

Barril do WTI com entrega prevista para dezembro avançou 2,62%, a US$ 39,57

Barril do WTI com entrega prevista para dezembro avançou 2,62%, a US$ 39,57


Divulgação/BPImages
O petróleo fechou o pregão desta terça-feira (27) em alta, em um movimento de recuperação após uma forte queda na sessão anterior. A commodity energética foi impulsionada pela fraqueza do dólar, o que deixa os contratos mais baratos e atrativos para detentores de outras divisas, e pela perspectiva de redução da oferta com o avanço do furacão Zeta em direção ao Golfo do México.
O petróleo fechou o pregão desta terça-feira (27) em alta, em um movimento de recuperação após uma forte queda na sessão anterior. A commodity energética foi impulsionada pela fraqueza do dólar, o que deixa os contratos mais baratos e atrativos para detentores de outras divisas, e pela perspectiva de redução da oferta com o avanço do furacão Zeta em direção ao Golfo do México.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do WTI com entrega prevista para dezembro avançou 2,62%, a US$ 39,57. Na Intercontinental Exchange (ICE), o contrato do Brent para janeiro, que agora é o mais líquido, subiu 1,96%, a US$ 41,61 o barril.
"Os preços do petróleo hoje, encontrando apoio de mercados de ações mais benignos, estão se recuperando um pouco após suas perdas pronunciadas ontem", afirma o chefe de Pesquisa em Commodities do Commerzbank, Eugen Weinberg.
A commodity encontrou apoio na fraqueza do dólar em relação às principais divisas e na possibilidade de o furacão Zeta atingir o Golfo do México e afetar a produção de petróleo na região.
O analista do banco alemão pondera, entretanto, que a situação no mercado de petróleo "continua confusa e ameaçadora". "Outras restrições ao transporte estão surgindo do lado da demanda já em apuros", diz Weinberg, fazendo referência às medidas adotadas pelos governos para conter novas ondas de covid-19.
O impasse fiscal nos Estados Unidos também permanece. Com o Senado em recesso, após a aprovação da juíza Amy Coney Barrett para a Suprema Corte ontem, as chances de um acordo por um pacote fiscal pré-eleição diminuíram. "Uma semana antes das eleições presidenciais e parlamentares, a maioria dos participantes do mercado está, de qualquer forma, se concentrando nos EUA", diz Weinberg.
Às 17h30 (de Brasília), o American Petroleum Institute (API) divulga as estimativas para os estoques de petróleo nos EUA na semana passada.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO