Porto Alegre, terça-feira, 20 de outubro de 2020.
Dia do Poeta. Dia do Arquivista.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 20 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 15h19min, 20/10/2020.

Ouro fecha em alta com Covid-19, dólar fraco e negociações por pacote nos EUA

Ouro para dezembro subiu 0,19%, a US$ 1.915,4 por onça-troy

Ouro para dezembro subiu 0,19%, a US$ 1.915,4 por onça-troy


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O ouro fechou em alta nesta terça-feira (20) com incertezas no radar, e especial atenção às tratativas por um novo pacote fiscal nos Estados Unidos. A apreensão trazida pelo avanço da covid-19 na Europa tende a levar a uma maior procura do metal, e o dólar fraco é outro fator que impulsiona positivamente o ativo. Mas há outros sinais na demanda contendo o avanço do preço.
O ouro fechou em alta nesta terça-feira (20) com incertezas no radar, e especial atenção às tratativas por um novo pacote fiscal nos Estados Unidos. A apreensão trazida pelo avanço da covid-19 na Europa tende a levar a uma maior procura do metal, e o dólar fraco é outro fator que impulsiona positivamente o ativo. Mas há outros sinais na demanda contendo o avanço do preço.
Na Comex, divisão para metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para dezembro subiu 0,19%, a US$ 1.915,4 por onça-troy.
"O mercado sem dúvida acompanhará de muito perto as negociações em Washington", avalia o Commerzbank. "O ouro poderia lucrar no caso de um acordo porque o dólar americano provavelmente teria menos demanda, e se depreciaria", projeta o banco alemão. Às 14h50, o dólar se desvalorizava perante a maioria das moedas, e o DXY, que marca a moeda americana frente a outras seis divisas de economias desenvolvidas, recuava 0,43%, a 93,427 pontos.
No cenário de incerteza sobre a pandemia, aumentou a demanda pelo ouro, ativo que tradicionalmente tende a servir de refúgio para investidores. Países como a Itália seguem registrando altas relevantes no número de casos e discutindo novas medidas de isolamento. Ontem, a Irlanda adotou um lockdown por seis semanas.
Por outro lado, "como esperávamos, a demanda por ouro na Ásia foi muito baixa em setembro", aponta o Commerzbank como contenção na procura, e cita a baixa exportação da Suíça para Índia e China como exemplo. "Em outras palavras, o preço do ouro continua sem encontrar suporte deste lado", concluiu, em referência ao mercado asiático.
Chefe de pesquisa do Julius Baer, Carsten Menke diz que o banco suíço mantém "visões neutras" sobre o ouro e prata. "Apesar dos temores de pandemia renovados em meio a infecções por coronavírus em rápido aumento em muitas partes do mundo, o ouro e a prata permaneceram na mesma faixa nos últimos tempos."
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO