Porto Alegre, terça-feira, 13 de outubro de 2020.
Dia do fisioterapeuta e do terapeuta ocupacional.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 13 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 14h54min, 13/10/2020.

Ouro fecha em queda e perde marca de US$ 1,9 mil a onça-troy com dólar mais forte

Ouro com entrega prevista para dezembro encerrou em baixa de 1,77%, a US$ 1.894,60 a onça-troy

Ouro com entrega prevista para dezembro encerrou em baixa de 1,77%, a US$ 1.894,60 a onça-troy


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O contrato futuro de ouro mais líquido fechou em queda, perdendo a marca de US$ 1,9 mil a onça-troy, pressionado pelo fortalecimento do dólar, em meio à maior busca pela moeda americana. Investidores reagiram com apreensão à paralisação das pesquisas para o desenvolvimento de uma vacina para o coronavírus pela Johnson & Johnson (J&J).
O contrato futuro de ouro mais líquido fechou em queda, perdendo a marca de US$ 1,9 mil a onça-troy, pressionado pelo fortalecimento do dólar, em meio à maior busca pela moeda americana. Investidores reagiram com apreensão à paralisação das pesquisas para o desenvolvimento de uma vacina para o coronavírus pela Johnson & Johnson (J&J).
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro com entrega prevista para dezembro encerrou em baixa de 1,77%, a US$ 1.894,60 a onça-troy.
Segundo a J&J, os testes foram suspensos depois que um voluntário contraiu uma doença desconhecida. A farmacêutica vai avaliar se a deterioração quadro de saúde do participante tem alguma relação com o imunizante experimental. A notícia espalhou cautela pelos mercados financeiros e tornou o dólar mais atraente, o que encareceu o ouro e, consequentemente, reduziu a demanda pelo metal precioso.
"O ouro reverteu parte dos ganhos do fim da semana passada e ficou abaixo de US$ 1.910 pela manhã. Isso mostra que o ouro tem dificuldades de se livrar da marca de US$ 1.900, que está exercendo certa atração ao preço", explica o Commerzbank, em relatório.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO