Porto Alegre, terça-feira, 13 de outubro de 2020.
Dia do fisioterapeuta e do terapeuta ocupacional.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 13 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

meio ambiente

- Publicada em 11h45min, 13/10/2020.

FMI diz que mudança climática é ameaça profunda ao crescimento e à prosperidade

A diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, afirmou que "a mudança climática é uma ameaça profunda ao crescimento e à prosperidade". Segundo a líder, a pauta não deve ser deixada de lado mesmo em meio à crise causada pelo coronavírus. Como alternativas para contornar esse cenário, ela defende medidas como a precificação do carbono e o estímulo a investimentos verdes.
A diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, afirmou que "a mudança climática é uma ameaça profunda ao crescimento e à prosperidade". Segundo a líder, a pauta não deve ser deixada de lado mesmo em meio à crise causada pelo coronavírus. Como alternativas para contornar esse cenário, ela defende medidas como a precificação do carbono e o estímulo a investimentos verdes.
Para Georgieva, o Acordo de Paris não seria suficiente para reduzir a emissão de gases prejudiciais para o meio ambiente entre 25% e 50% em 10 anos. Dessa forma, ela pede apoio nas negociações para estabelecer um preço mínimo para o carbono. "Isso proporcionaria uma orientação clara e uma base sólida para construir um consenso global sobre ações que poderiam ser tomadas para atingir essa meta conjunta", disse a diretora.
A representante do FMI destacou ainda que a crise causada pela Covid-19 gerou um "apoio político sem precedentes", com estímulos que somam cerca de US$ 12 milhões. Para ela, é importante que esses montantes sejam direcionados a investimentos verdes. Essa estratégia poderia impulsionar o PIB mundial em até 0,7%, em média, e gerar milhões de empregos, aponta Georgieva.
"Devemos reconhecer que a crise ambiental já é uma realidade e devemos nos adaptar e criar resistência aos choques climáticos. No FMI, estamos trabalhando com nossos integrantes, principalmente com os países mais vulneráveis, para fazer exatamente isso", afirmou, reforçando a importância de priorizar ações para minimizar os impactos da crise climática.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO