Porto Alegre, segunda-feira, 12 de outubro de 2020.
Dia da Criança. Feriado - Nossa Senhora Aparecida. Feriado nos EUA: Columbus Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 12 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado financeiro

- Publicada em 14h02min, 12/10/2020. Atualizada em 14h14min, 12/10/2020.

Bolsas da Europa fecham na maioria em alta com expectativa de acordo nos EUA

As bolsas da Europa fecharam majoritariamente com ganhos nesta segunda-feira (12), com expectativas pela nova aprovação de estímulos fiscais nos Estados Unidos. As perdas no preço do barril do petróleo levaram ações do setor a pressionarem os índices negativamente. Além disso, continuou em foco o avanço da Covid-19 no continente. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,72%, a 373,00 pontos.
As bolsas da Europa fecharam majoritariamente com ganhos nesta segunda-feira (12), com expectativas pela nova aprovação de estímulos fiscais nos Estados Unidos. As perdas no preço do barril do petróleo levaram ações do setor a pressionarem os índices negativamente. Além disso, continuou em foco o avanço da Covid-19 no continente. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,72%, a 373,00 pontos.
Investidores monitoram as negociações por uma nova rodada de estímulos fiscais nos Estados Unidos. A Casa Branca ofereceu uma proposta de pacote no valor de US$ 1,8 trilhão, mas lideranças democratas já sinalizaram que não pretendem aceitar. A oposição tem defendido uma legislação de, no mínimo, US$ 2 trilhões.
O mercado teve grande expectativa quanto ao discurso da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, mas houve poucos indícios de política monetária por parte da dirigente. O otimismo nos negócios europeus é limitado pelo avanço de casos de covid-19 no continente. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou hoje ao Parlamento novas medidas de restrição, lembrando que elas salvam vidas, mas descartou um "lockdown" completo.
Com notícias sobre o aumento da oferta em várias partes do mundo, o petróleo hoje operava com baixas superiores a 2% no preço do barril em Londres e Nova York. Total (0,90%), Repsol (-1,71%), Galp (-1,71%), Eni (-0,63%) e Saipem (3,08%) pressionaram índices e limitaram ganhos em algumas das principais bolsas. Em Londres, BP (-1,96) e Royal Dutch Shell (-2,55), ajudaram o FTSE a fechar em baixa de 0,25%, a 6.001,38 pontos, sendo o único dos principais índices a registrar perdas.
Em Frankfurt, a Volkswagen com ganhos de 1,26% ajudou o DAX a fechar em alta de 0,67% a 13.138,41 pontos. O CAC em Paris subiu 0,67%, a 4.979,29 pontos, com a Peugeot avançando 1,29%. Em um dia positivo para companhias de energia, a EDF também ajudou o CAC, ao subir 0,98%. Em Milão, a Enel teve alta de 2,17% e ajudou o FTSE MIB a fechar em alta de 0,63%, a 19.718,77.
O setor foi fundamental para impulsionar o PSI 20 na maior alta do dia entre as principais bolsas europeias, de 1,56%, a 4247,14 pontos. EDP (+2,93%) e EDP Renováveis (+7,53%) tiveram algumas das principais altas, e compensaram quedas importantes, além da Galp, também do BCP Millenium, em queda de 1,95%. Já em Madri, o IBEX 35 fechou estável, a 6951,00 pontos.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO